A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Afeganistão confirma morte de líder Talibã em ataque dos EUA

Afeganistão confirma morte de líder Talibã em ataque dos EUA
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O ministro da Defesa e os serviços secretos do Afeganistão (NDS) confirmaram a morte do líder dos Talibã afegãos durante um ataque norte-americano na fronteira do país com o Paquistão.

Fontes em Washington tinham afirmado que o Mulá Akhtar Mansour teria sido “provavelmente” morto durante o ataque de ontem, autorizado pelo presidente Obama.

Vários drones tinham atingido o carro em que seguia o responsável do grupo armado e um motorista, a sudoeste da cidade paquistanesa de Ahamd Wal.

Segundo o responsável da diplomacia norte-americana, Mansour teria sido neutralizado por se opor às discussões de paz afegãs.

“Esta ação envia uma mensagem clara ao mundo de que continuamos a apoiar os nossos parceiros afegãos no esforço para construir um país mais estável, unido, seguro e próspero. Os Estados Unidos sempre defenderam que um processo de reconciliação liderado pelos afegãos seria o caminho mais curto para a paz. Mansour era uma ameaça a este esforço para pôr fim à violência”, afirmou John Kerry, à margem de uma visita ao Myanmar.

Mansour tinha tomado as rédeas do grupo em Julho do ano passado depois do anúncio da morte do seu antecessor, o Mulá Omar.

Um residente de Cabul mostra-se contente com a notícia, “eles fazem entrar combatentes no Afeganistão, em especial adolescentes e crianças, em troca de comida”.

Um jornalista paquistanês publicou esta imagem do alegado corpo do líder Talibã e do seu motorista, num hospital na cidade paquistanesa de Quetta.

A morte do responsável poderia dispersar ainda mais o movimento, quando vários combatentes decidiram juntar-se ao grupo Estado Islâmico nos últimos meses.

Os Talibã tinham reivindicado vários atentados nos últimos meses, como a ação que vitimou 64 pessoas, junto à sede dos serviços secretos afegãos, em Abril, em Cabul.

O presidente afegão, Ashraf Ghani, renovou hoje o apelo para que os Talibã se sentem à mesa das negociações.

O ataque norte-americano ocorre num momento em que, teoricamente, os Estados Unidos resumiram as suas operações no país ao aconselhamento e treino das forças afegãs.