EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

O túnel de Saint-Gothard, um projeto suiço sem precedentes

O túnel de Saint-Gothard, um projeto suiço sem precedentes
Direitos de autor 
De  Antonio Oliveira E Silva com SRG/SSR, CFF.CH
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Suiça inaugura dia 1 de junho, na presença de diferentes líderes europeus, o maior túnel ferroviário do mundo, o túnel de Saint-Gothard, que conta com 57,1 quilómetros.

PUBLICIDADE

A inauguração oficial do túnel ferroviário de Saint-Gothard, Suiça, tem lugar dia 1 de junho deste ano. Um evento que consagra um projeto de longa duração e extremamente complexo. O túnel de Saint-Gothard é fruto da política de transportes públicos do Governo Federal Suiço e a sua abertura terá efeitos em todo o continente europeu.

La nouvelle app #gottardo2016 vous fait découvrir le Gothard grâce à la réalité virtuelle:https://t.co/ItDYiFwVju

— Info presse CFF (@presse_CFF) 30 de maio de 2016

O túnel de relance

  • Com 57,1 quilómetros, o túnel de Saint-Gothard é o maior túnel ferroviário do mundo, superior ao túnel do Canal da Mancha (50,5 Kms) e ao túnel japonês de Seikan (53,8 Kms).

  • A sua construção custou 10,9 mil milhões de euros, totalmente pagos pela Suiça, o mesmo orçamento dos jogos olímpicos de 2012 em Londres.

  • A construção do túnel demorou 17 anos, com trabalhadores presentes no local por turnos 8 horas por dia e os trabalhos a decorrerem 24 horas por dia, 7 dias por semana.

  • Os trabalhos envolveram mais de 2600 trabalhadores, dos quais 9 morreram no local

  • Foram retirados, durante a escavação do túnel, cerca de 13,3 milhões de metros cúbicos, o que é 5 vezes superior ao volume da Grande Pirâmide de Gizé, Egito.

  • O primeiro túnel ferroviário de Saint-Gothard foi construido entre 1872 e 1882 e tem 15 quilómetros. Pelo menos 177 trabalhadores morreram durante a sua construção e 700 ficaram incapacitados.

  • Os passageiros dos comboios que passem pelo túnel farão trajetos subterrânos superiores a 250 Km/h, enquanto os comboios de carga atingirão 160km/h.

  • Espera-se que passem pelo túnel cerca de 50 combóios de passageiros por dia. Cada um deverá passar cerca de 20 minutos no túnel.

  • Um carro precisa de uma hora para percorrer os 79 quilómetros de estradas montanhosas que separam as localidades de Erstfeld e Biasca, nas duas extremidades do túnel.

  • Graças ao túnel, uma viagem de comboio entre Berlim e Milão sofrerá uma redução de 1 hora e 58 minutos.

Uma inauguração internacional

O Presidente francês, François Hollande, a Chanceler Alemã Angela Merkel e o Primeiro-Ministro italiano Matteo Renzi estarão presentes na inauguração do túnel dia 1 de junho com o Presidente da Confederação Helvética Johann Schneider-Ammann. Juntos, farão uma viagem de comboio através do túnel.

A inauguração receberá a benção de um Padre Católico, de um elemento da Igreja Protestante, de um Rabino e de um Imam. Uma forma de que as coisas sejam vistas de forma neutras, porque, afinal de tudo, o túnel de Saint-Gothard fica na Suiça. Estará presente um representande para os ateus e para os que se consideram “não-crentes.”

Espera-se ainda a assistência de mais de 100 mil visitantes, que estarão presentes numa festa nos dias 4 e 5 de junho, com a presença de cerca de 600 artistas.

Les chiffres du #Gothard: 153km on été creusés au total à l'intérieur du massif https://t.co/g2HQYllZY5

— swissinfo.ch (@swissinfo_fr) 30 de maio de 2016

Imagens 360° do túnel e da região

O canal público francófono suiço de televisão RTS publicou um vídeo espetacular com imagens a 360° da estrutura, das Montanhas de Saint-Gothard e sobre a história do Túnel de Gothard.

Atenção: O vídeo não poderá ser visualizado nos browsers Safari ou IE.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zurique voltou a acolher a Festa Federal do Traje

Caos e destruição nos Alpes Suíços depois das cheias

Suíça: três pessoas estão desaparecidas após deslizamento de terras nos Alpes devido à chuva