EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Alemanha classifica como "genocídio" o massacre de arménios pelo Império Otomano em 1915

Alemanha classifica como "genocídio" o massacre de arménios pelo Império Otomano em 1915
Direitos de autor 
De  Marco Lemos com reuters, afp, efe
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Parlamento alemão aprovou, quase por unanimidade, uma resolução que reconhece como "genocídio" o massacre de 1,5 milhões de arménios pelo Império Otomano, em 1915, durante a Primeira Guerra Mundial.

PUBLICIDADE

O Parlamento alemão aprovou, quase por unanimidade, uma resolução que reconhece como “genocídio” o massacre de 1,5 milhões de cristãos arménios pelo Império Otomano, em 1915, durante a Primeira Guerra Mundial. A resolução foi aprovada com apenas um voto contra e uma abstenção.

A Arménia acusa o Império Otomano de ter matado 1,5 milhões de arménios em 1915. Inúmeros historiadores e mais de 20 países, como a França, a Itália e a Rússia, reconhecem o genocídio. Por seu lado, a Turquia defende-se, dizendo que se tratou de uma guerra civil, agravada pela fome, em que morreram entre 300 mil e 500 mil arménios e outros tantos turcos.

“Absurdo”: foi como o primeiro-ministro turco classificou o voto, esta quinta-feira, na Alemanha, da resolução que reconhece o “genocídio” de arménios pelo Império Otomano, que deu origem à Turquia.

Tal como o presidente Recep Tayyip Erdogan, Binali Yildirim, o chefe do governo, avisou que o reconhecimento do genocídio arménio irá prejudicar as relações bilaterais entre Ancara e Berlim, mas não irá comprometer o acordo com a União Europeia para a gestão da crise dos refugiados.

“Este voto é absurdo. É claro que as relações com a Alemanha vão ser prejudicadas. Não há qualquer dúvida sobre isso”, afirmou Yildirim.

Turkey: German Vote to Recognize Armenian Genocide Will Hurt Relations https://t.co/ME7gpL6JKipic.twitter.com/THTFOyvxDe

— Voice of America (@VOANews) June 1, 2016

Os deputados alemães receberam mesmo ameaças de morte por causa da resolução, mas para o líder parlamentar dos Verdes, “quem mostra coragem não são os membros do Parlamento (alemão), mas as pessoas que vivem na Turquia e que às vezes pagam com a vida o facto de falarem desta questão”, recordou Cem Ozdemir, filho de um casal turco que imigrou para a Alemanha nos anos 60 do século passado.

“Não matamos ninguém em particular, só defendemos o nosso país” responde parte da gigantesca comunidade turca na Alemanha, que tem protestado veementemente contra o reconhecimento do genocídio arménio.

A Turquia afirma que não houve nenhuma campanha organizada pelo Império Otomano para erradicar os cristãos arménios.

To understand why Turkey believes the killings of many thousands of Armenians did not constitute genocide, read this https://t.co/gllPAPIdzH

— euronews (@euronews) June 1, 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alemanha reconhecer o genocídio arménio é "absurdo", afirma PM da Turquia

Turcos que vivem no estrangeiro já votam na segunda volta das presidenciais

Líderes dos rivais regionais Grécia e Turquia reúnem-se para estreitar relações