Última hora
This content is not available in your region

Um Ramadão difícil para os refugiados na Grécia

Um Ramadão difícil para os refugiados na Grécia
Tamanho do texto Aa Aa

Longe da família e com um futuro incerto: é desta forma que milhares de muçulmanos que se encontram em campos de refugiados na Grécia começaram a celebrar, esta segunda-feira, o mês sagrado do Ramadão.

No campo de Schisto, perto de Atenas, onde vivem cerca de 1800 migrantes, a grande maioria dos quais afegãos, um jovem diz que “todos sentem falta da família e do país [de origem]. É muito difícil estar tão longe do seu território, dos vizinhos e dos familiares” nesta época do ano.

Noutro campo, na localidade grega de Evzoni, junto à fronteira fechada da Macedónia, muitos destacam a dificuldade de respeitar os preceitos do Ramadão.

Um jovem sírio explica que “é muito difícil fazer o jejum das quatro da manhã às nove da noite. É um período de tempo muito longo e a situação é difícil”. E acrescenta que a única coisa que deseja é “ver novamente a família, seja na Síria ou em qualquer outro país”, porque tem “muitas saudades, em particular da mãe”.

Alguns campos adaptaram a assistência em função do Ramadão, distribuindo nomeadamente uma dose dupla de alimentos depois da hora em que termina o jejum diário. Segundo os últimos números oficiais, há atualmente 52.000 migrantes bloqueados em território grego.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.