EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Turquia: Grupo Falcões da Liberdade do Curdistão avisa turistas que o país não é seguro

Turquia: Grupo Falcões da Liberdade do Curdistão avisa turistas que o país não é seguro
Direitos de autor 
De  Miguel Roque Dias com AFP, REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O grupo radical Falcões da Liberdade do Curdistão (TAK em curdo) reivindicou a autoria do atentado suicida da última terça-feira, em Istambul, na Turquia, que matou 11 pessoas e deixou um aviso aos tu

PUBLICIDADE

O grupo radical Falcões da Liberdade do Curdistão (TAK em curdo) reivindicou a autoria do atentado suicida da última terça-feira, em Istambul, na Turquia, que matou 11 pessoas e deixou um aviso aos turistas de que “o país não é seguro para eles”.

Um carro armadilhado embateu contra um autocarro da polícia, na terça-feira (7 de junho) no centro da cidade, durante a hora de ponta, perto de uma das principais zonas turísticas de Istambul.

A bomb rips through police bus near Istanbul killing 11 https://t.co/aPEBv7bmr7pic.twitter.com/4nM9fsJpRg

— AFP news agency (@AFP) June 7, 2016

As autoridades anunciaram, já, um reforço da segurança na cidade, destacando mais 5 mil agentes da polícia.

A Turquia, é o sexto maior destino turístico do mundo. O número de visitantes sofreu uma quebra abrupta, nos últimos meses, com o deteriorar da segurança.

No comunicado, divulgado na internet, o TAK afirma que o atentado teve como objetivo “vingar a guerra suja no Curdistão”, perpetrada pelas forças turcas.

#TURKEY
Kurdistan Freedom Hawks (#TAK) Claims Responsibility For A Suicide Bombing In #Istanbul . #TerrorMonitorpic.twitter.com/ShShmNeHbM

— Terrormonitor.org (@Terror_Monitor) June 10, 2016

Os Falcões da Liberdade do Curdistão têm ligações ao proscrito Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

As negociações de paz entre o PKK e o governo colapsaram, em 2015, desencadeando a pior onda de violência no sudeste do país, desde a década de 1990.

Milhares de militantes e centenas de agentes de segurança morreram.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen

Centenas de residentes em Veneza manifestam-se contra “taxa de entrada” para turistas

Taxa turística de dormida em Lisboa vai duplicar