EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Sudão do Sul: Fim de semana de confrontos deixa mais de 270 mortos

Sudão do Sul: Fim de semana de confrontos deixa mais de 270 mortos
Direitos de autor 
De  Antonio Oliveira E Silva com REUTERS, AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mais de 270 pessoas morreram no Sudão do Sul nos últimos dias, vítimas dos confrontos entre exército e antigos rebeldes.

PUBLICIDADE

Pelo menos 270 pessoas morreram durante os confrontos entre fações rivais em Juba, capital do Sudão do Sul, entre quinta-feira e domingo, quando tropas fiéis ao presidente Salva Kiir e soldados que apoiam o vice-presidente Riek Machar.

A Agência Reuters diz que, depois de um sábado relativamente calmo, novos tiroteios foram ouvidos na região da capital, perto das instalações militares das forças fiéis a Machar.

Segundo a Missão das Nações Unidas para o Sudão do Sul (UNMISS, pela sigla em língua inglesa), ouve violentos tiroteios perto das instalações, por volta das 8:25 locais. As Nações Unidas falam também na presença de granadas e de armas de assalto, assim como de um helicóptero de combate nos céus da capital.

Sustained clash, ongoing since approx. 08:25 heavy weapons, UN House area unmissmedia</a></p>&mdash; UNMISS (unmissmedia) July 10, 2016

A guerra civil do Sudão do Sul, país independente há cinco anos, depois da separação do Sudão, opõe, de forma geral, os grupos étnicos Dinka (ao qual pertence o presidente Kiir) e Nuer (de Machar).

Foi alcançado em agosto um frágil acordo de paz, mas continuam a existir, no país duas forças militares dominantes.

As Nações Unidas gerem um campo com cerca de 28 mil pessoas deslocadas, vítimas da guerra, entre as quais famílias inteiras com crianças.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU confirma a detenção de 11 funcionários no Iémen

Rebeldes Houthi detêm pelo menos 9 membros da ONU, dizem as autoridades

Prosseguem os combates em Gaza apesar da decisão do TIJ que obriga Israel a pôr termo à ofensiva em Rafah