EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Israel aprova lei da discórdia

Israel aprova lei da discórdia
Direitos de autor 
De  Lurdes Duro Pereira com AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os deputados israelo-árabes dizem estar a ser perseguidos pela direita.

PUBLICIDADE

Os deputados israelo-árabes dizem estar a ser perseguidos pela direita.

Em causa a adoção do projeto de lei que permite expulsar os parlamentares acusados de incitamento racial. O texto criticado pela esquerda e por deputados descendentes de palestinianos foi aprovado, esta semana, no Parlamento israelita com os votos de 62 dos 120 deputados.

O parlamentar Ayman Odeh considera que se trata de uma estratégia que promove o ódio contra a minoria árabe. Defende que a nova legislação mostra quais são as intenções do primeiro-ministro e o medo que existe em relação aos Israelo-árabes que representam cerca de 20 por cento da população.

Os defensores da nova legislação têm outra opinião.

O deputado Zeev Elkin diz que a lei é para ser respeitada em todos os países e lembra que o texto foi aprovado no Parlamento. O problema, adianta, é que existem parlamentares que apoiam o terrorismo. Esta situação, acrescenta, impede que os deputados cumpram as suas obrigações e que não pode continuar.

Nas eleições legislativas realizadas em março de 2015, os partidos israelo-árabes tornaram-se a terceira maior força política depois de terem conquistado 13 assentos no Parlamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Segundo maior hospital de Gaza não está operacional. Israel quer reféns libertados até ao Ramadão

Guerra Israel-Hamas: ataques intensificam-se no centro e sul de Gaza

Primeiro-ministro israelita exige rendição do Hamas