EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

François Hollande: o Daesh é uma guerra externa e interna e promete que França a vai ganhar

François Hollande: o Daesh é uma guerra externa e interna e promete que França a vai ganhar
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Depois do ataque reinvidicado pelo Daesh a uma igreja em Saint-Étienne-du Rouvray, que vitimou por degolação o padre Jacques Hamel, François Hollande assegura uma presença securitária inédita nas ruas

PUBLICIDADE

François Hollande não duvida: a ameaça da militância islamista em França e na Europa é maior do que nunca antes e o futuro depende da unidade.

Vous êtes les sentinelles de la République. La France a besoin de vous, ses sentinelles vigilantes, qui nous défendez. #OpérationSentinelle

— François Hollande (@fhollande) 25 juillet 2016

O Presidente francês assegurou a determinação do governo na luta contra o terrorismo ao mobilizar todos os meios materiais e humanos, com a presença da polícia, da guarda e do exército a um nível nunca atingido durante a V República em todo o país.

François Hollande relembrou que, sob o estado de emergência, juízes, governadores, polícia e serviços secretos têm poderes ampliados para agir. Não deixou porém de referir que reduzir os direitos e afastar-se do que está consagrado constitucionalmente não é o caminho para a luta antiterrorista e enfraqueceria a “preciosa coesão do país”.

Segundo o Presidente, o país deve evitar a controvérsia e a suspeita numa altura em que o país suporta “uma guerra estrangeira na Síria e no Iraque e uma guerra interna que combate a radicalização, persegue indivíduos jihadistas e desmantela redes criminosas, o que continuará a fazer”, assegura Hollande.

O combate estender-se-á no tempo, diz o presidente francês: “Devo-vos esta verdade: esta guerra vai ser longa. É a nossa democracia que está a ser atingida, é esse o alvo e vai ser ela o nosso escudo. É a nossa unidade que faz a nossa força, por isso, franceses e francesas, vamos formar uma barreira e é assim que vamos ganhar esta guerra contra o ódio e o fanatismo.”

Hollande declarou ainda que para além dos católicos de França, todos os franceses, independentemente da sua religão tinham sido atingidos no âmago: um ataque a uma igreja é profanar a república que garante liberdade de consciência.

Ma vision de la vie #merci#Ensemblepic.twitter.com/x9dqqWsWbV

— Antonin (@antonin7713) 26 juillet 2016

O arcebispo de Rouen, que foi recebido no Eliseu por Hollande e pelo ministro do Interior, Bérnard Cazeneuve, apelou ao amor cristão, por difícil que seja: “Disseram-nos para amar, e eu digo ‘ama os teus inimigos e reza até por eles’. Quando leio essa frase digo ‘amar os meus inimigos, será possível?’ vou tentar, pelo menos, vou rezar por eles.”

Este foi o último de uma vaga de ataques na Europa com origem no grupo militante extremista radicado no Iraque e na Síria e que se debate com a coligação militar liderada pelos Estados Unidos e de que França é um parceiro importante.

François Hollande terminou a sua intervenção no Eliseu, após o ataque matinal em Saint-Étienne-du-Rouvray, prometendo uma vitória nesta guerra e expressando o voto de “longa vida à República e longa vida à França.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Saint-Étienne-du-Rouvray: França de luto e em luta no terreno

França: Cristãos rezam pelo fim dos atentados

Ataque a igreja em França: Autoridades confirmam que um dos autores tentou viajar para a Síria em 2015