Religiões de França unidas contra o terrorismo

Religiões de França unidas contra o terrorismo
De  João Peseiro Monteiro com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As religiões de França estão unidas contra o terrorismo e pedem mais proteção.

PUBLICIDADE

As religiões de França estão unidas contra o terrorismo e pedem mais proteção. Um dia depois do assassinato de um padre católico de 86 anos, o presidente François Hollande recebeu no palácio do Eliseu os responsáveis religiosos do país.

O reitor da Grande Mesquita de Paris, Dalil Boubakeur, condenou o homicídio:

“Estamos perante um facto exterior ao Islão, um facto que todos os muçulmanos de França reprovam e rejeitam da maneira mais formal ao apresentar ao Monsenhor o Cardinal as nossas condolências.”

O cardeal André Vingt-Trois, arcebispo de Paris, lançou um alerta e um apelo:

“Não podemos deixar-nos levar no jogo político do Daesh que pretende lançar uns contra os outros, os filhos de uma mesma família.”

Desde o início do ano passado que as 700 escolas judias e sinagogas e um milhar de mesquitas estão protegidas no quadro da Operação Sentinela, mas fazer o mesmo com as 45 mil igrejas católicas de França parece missão impossível.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Três religiões numa casa

Igreja católica em Bruxelas acolhe cerimónia do Ramadão

Gaza na memória dos muçulmanos por ocasião do Eid al-Fitr