Península da Crimeia: Dois anos e meio depois

Península da Crimeia: Dois anos e meio depois
De  Antonio Oliveira E Silva com SIMONA VOLTA, YURY SMIRNOV, SERGII NYKYFOROV, THE TELEGRAPH, REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Foi há mais de dois anos que a Rússia anexou a península da Crimeia, reconhecida internacionalmente como parte da Ucrânia. Retrato do mais tenso dos conflitos entre o Ocidente e a Rússia desde o fim d

PUBLICIDADE

Com Simona Volta, Yury Smirnov e Sergii Nykyforov

Foi há mais de dois anos que a Crimeia foi anexada pela Rússia. Internacionalmente reconhecida como parte da Ucrânia, conta com uma maioria de russófonos que votou pela integração na Rússia num referendo nunca reconhecido pela Comunidade Internacional.

A península da Crimeia fica situada no mar negro, separada da Rússia pelo estreito de Kertch.

Para Moscovo, a integração em território russo é coerente com a defesa dos que lá vivem, maioria de que tem o russo como língua materna.

Para o Ocidente, no entanto, a Rússia quer aumentar a influencia geopolítica na região, expandir o território e afirmar-se a nível internacional, violando o direito internacional.

A Crimeia foi transferida pelos soviéticos para Ucrânia em 1954. Para muitos dirigentes russos, tratou-se de um erro histórico.

Em 1992, a maioria russófona tenta realizar um referendo sobre uma possível independência, mas é impedida por Kiev.

A região consegue, no entanto, mais autonomia, com um governo e um parlamento regionais em Simferopol.

Mas Moscovo manteve o controlo sobre a base naval de Sebastopol, controlo que tinha desde a sua fundação, em 1783. De importante valor estratégico, a base permite um acesso rápido ao Mediterrâneo, aos Balcãs e ao Médio oriente.

Em 2013, havia mais de 11 mil militares russos estacionados em Sebastopol e uma frota de 60 navios de guerra.

.poroshenko</a>: Russia’s accusing <a href="https://twitter.com/hashtag/Ukraine?src=hash">#Ukraine</a> of terrorism in occupied <a href="https://twitter.com/hashtag/Crimea?src=hash">#Crimea</a> is absurd&cynical <a href="https://t.co/WL5XEPVs9D">https://t.co/WL5XEPVs9D</a> <a href="https://t.co/Cnd6ze3Kjs">pic.twitter.com/Cnd6ze3Kjs</a></p>&mdash; MFA of Ukraine (MFA_Ukraine) August 10, 2016

Crise na Crimeira: cronologia dos principais acontecimentos

2013
*Em dezembro, a polícia ucraniana dispersa as manifestações contra o então presidente Viktor Yanukovich e pela assinatura de um acordo comercial com a União Europeia. Os protestos têm lugar na Praça da Independência de Kiev.
2014
*Em fevereiro, depois de mais de 100 pessoas terem morrido em dois dias de protestos, atiradores furtivos próximos do Governo de Yanukovich abrem fogo sobre a multidão. Pressionado, o presidente deixa o poder e abandona Kiev, refugiando-se em Moscovo.
Dia 27, grupos armados não identificados invadem os edifícios do Governo regional em Simferopol, a capital administrativa. Para Kiev, tratam-se de soldados russos, mas Moscovo nega qualquer invasão e diz que apenas ajudou as milícias locais a protegerem-se. Mais tarde, Putin confessa ter dado ordens ao exército para tomar a cidade e a região.
Em *março, pelo menos 96% da população local vota, dia 16, a favor de uma integração da Crimeia na Rússia, de acordo com Moscovo. Dois dias depois, apesar dos protestos de Kiev, Washington e Bruxelas, Putin assina uma lei que incorpora o território anexado à Federação Russa.
Em *maio, Petro Poroshenko é eleito presidente da Ucrânia. Um mês depois, assina um acordo comercial com a União Europeia.
Em *julho, a UE adota um conjunto de sanções económicas e comerciais contra a Rússia.
En *setembro, os rebeldes separatistas, a Ucrânia e a Rússia assinam, dia 5, um acordo de paz na capital bielorrussa, Minsk.
Em *novembro, a organização de defesa dos Direitos Humanos Human Rights Watch publica um relatório em que denuncia a situação dos Tartaros da Crimeira sob administração russa, assim como dos ativistas a favor da Ucrânia.
2016
*No *início do ano, o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, recorda que Kiev tem a intenção de recuperar a península da Crimeia e de expulsar os rebeldes e os soldados russos da região de Donbass. Morreram mais de 9500 pessoas de ambos os lados do conflito em cerca de dois anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Secretário da Defesa dos EUA diz que NATO será arrastada para a guerra se Ucrânia perder

ISW: Ucrânia conseguiu reduzir significativamente as atividades da Rússia no Mar Negro

Putin rearma exército, enquanto escasseia ajuda humanitária da ONU para a Ucrânia