Síria: Futuro da trégua decide-se esta sexta-feira em Alepo

Síria: Futuro da trégua decide-se esta sexta-feira em Alepo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O futuro da nova trégua na Síria decide-se nas próximas horas, quando a ONU aguarda ainda a luz verde de Damasco para iniciar a distribuição de ajuda humanitária em Alepo, prevista para esta…

PUBLICIDADE

O futuro da nova trégua na Síria decide-se nas próximas horas, quando a ONU aguarda ainda a luz verde de Damasco para iniciar a distribuição de ajuda humanitária em Alepo, prevista para esta sexta-feira.

A Rússia tinha anunciado ontem que as forças do regime ter-se-iam retirado da futura zona desmilitarizada a leste da cidade, onde deverão começar a afluir os víveres.

O porta-vou do Departamento de Defesa norte-americano, Peter Cook, afirmou, no entanto, não ter dados que, “confirmem ou desmintam as informações avançadas por Moscovo”.

Depois de três dias de cessar-fogo, Washington decide esta tarde se vai prolongar a trégua, depois de ter denunciado a forma como o regime sírio continua a bloquear o acesso a Alepo.

Moscovo acusa, por seu lado, os EUA de não cumprirem o acordo, quando afirma que os grupos rebeldes teriam violado o cessar-fogo mais de meia centena de vezes.

“Os bombardeamentos continuam, com mais mortes e mais casas destruídas”, afirmou o responsável militar russo pelas operações na Síria, Viktor Poznikhir.

Cerca de vinte camiões da ONU aguardavam esta manhã, junto à fronteira turca, a luz verde para avançar sobre a cidade sitiada de Alepo.

Um avanço que ameaça ser igualmente abalado pela denúncia de novos bombardeamentos sobre posições dos rebeldes moderados, em Homs, no centro do país

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ajuda humanitária tarda a chegar aos bairros rebeldes de Alepo

Confrontos e detenções em protesto na Geórgia contra lei dos "agentes estrangeiros"

Zelenskyy promulga lei controversa para mobilizar mais militares para a guerra