Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Os partidos de pura contestação podem precipitar-nos num abismo"

"Os partidos de pura contestação podem precipitar-nos num abismo"
Tamanho do texto Aa Aa

O fenómeno do voto na direita radical como reflexo direto do sentimento de insegurança das populações não é novo. Mas agora está a ganhar uma dimensão que abarca vários países europeus. O Insiders falou com opolitólogo francês Jean-Yves Camus, especialista em movimentos nacionalistas.

Os cidadãos veem a União Europeia como uma espécie de monstro frio e longínquo.

Jean-Yves Camus Especialista em movimentos extremistas

Sophie Claudet, euronews: Como é que se explica o avanço da extrema-direita na Europa?

Jean-Yves Camus: Há a questão das migrações – a incerteza que este fenómeno instalou entre os cidadãos europeus -, mas há também uma crise no processo da construção europeia e um défice na própria identidade europeia. Os cidadãos veem a União Europeia como uma espécie de monstro frio e longínquo, sem grande legitimidade democrática. Não contestam o princípio em si – eles querem a Europa. Mas não desta forma.

SC: Estes partidos defendem um programa político sustentável?

JYC: Podemos olhar para o exemplo da Áustria: o FPÖ já fez parte da coligação governamental, mas não cumpriu os objetivos a que se propôs, não defendeu a política que tinha prometido aos seus eleitores. Por isso é que foi penalizado nas legislativas seguintes.

SC: No entanto, hoje em dia, o FPÖ recuperou o fôlego. É possível que o próximo presidente austríaco seja o candidato deste partido. Ou seja, no final de contas, os austríacos voltaram a aproximar-se da extrema-direita…

JYC: À semelhança da Alemanha, o governo austríaco é constituído por uma coligação de sociais-democratas e cristãos-democratas, isto é, tanto da esquerda, como da direita. É este tipo de governo que é contestado por parte do eleitorado. Os eleitores querem mudar as coisas e dar uma oportunidade a um partido que defende um discurso muito simples: “As elites políticas traíram o povo. Nós representamos o povo. Se conquistarmos o poder, vamos fazer exatamente o contrário do que os partidos tradicionais têm feito”. Perante esta argumentação, o eleitorado pensa: “Talvez não sejam as propostas mais estruturadas, talvez estes partidos não sejam irrepreensíveis, mas como queremos ver-nos livres dos outros, vamos dar-lhes uma oportunidade”.

SC: Os partidos tradicionais europeus têm-se afastado destes discursos ou a tendência é aderir à retórica do populismo?

JYC: Parte da direita democrática tem cedido à tentação de correr atrás dos votos da extrema-direita. É uma estratégia que nunca produz bons resultados. Foi o que aconteceu em França nos últimos 30 anos. Mas ainda há políticos que acham que têm de apostar nas propostas da extrema-direita – no caso francês, da Frente Nacional, por exemplo – para reconquistar o eleitorado. Mas isso nunca funcionou. Pelo contrário, creio que a direita liberal e conservadora está a sentir que precisa de regressar às origens, de voltar às ideologias tradicionais: o liberalismo, o conservadorismo social… E sente também que tem de explicar aos eleitores que os partidos que emanam da pura contestação, que não têm qualquer experiência de governo, podem precipitar-nos num abismo. É claro que podemos contestar a forma como a construção europeia está a ser conduzida. Mas dizer não à Europa, decidir pelo isolamento é, sobretudo em termos económicos, caminhar em direção a um abismo.