EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Síria: Paz é miragem longínqua

Síria: Paz é miragem longínqua
Direitos de autor 
De  Marco Lemos com reuters, afp, le monde
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Há menos de um mês, parecia que as grandes potências tinham finalmente encontrado um rumo em direção à paz na Síria.

PUBLICIDADE

Há menos de um mês, parecia que as grandes potências tinham finalmente encontrado um rumo em direção à paz na Síria. A poucos meses do fim do mandato de Barack Obama e após difíceis negociações, Estados Unidos e Rússia anunciam uma trégua nos combates, que não abrange o ‘daesh’ e a Frente Al-Nusra.

“Estados Unidos e Rússia estão a apresentar um plano que (…) se for implementado e respeitado, tem a capacidade de proporcionar um momento de viragem”, afirmou na altura o secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

A esperança renascia. A trégua entra em vigor no dia 12 de setembro e começa-se a preparar a entrega de ajuda humanitária nas áreas sitiadas, nomeadamente em Alepo.

Mas, cinco dias após o início do cessar-fogo, a “coligação internacional liderada pelos Estados Unidos bombardeia “por engano” o exército sírio, perto de Deir Ezzor”:http://www.lemonde.fr/syrie/article/2016/09/17/la-coalition-internationale-reconnait-avoir-frappe-par-erreur-une-position-de-l-armee-syrienne_4999461_1618247.html, matando várias dezenas de soldados. Dois dias depois, Damasco anuncia o fim da trégua e poucas horas a seguir um comboio humanitário da ONU e do Crescente Vermelho é bombardeado perto de Alepo.

O cessar-fogo durou uma semana e com o seu fim goram-se as esperanças de levar ajuda a quem mais necessita. As Nações Unidas suspendem o envio de comboios humanitários quando o processo mal tinha começado.

Desde então, as bombas não pararam de cair sobre Alepo. Na ONU, tenta-se relançar os esforços diplomáticos, para já, sem sucesso. Moscovo e Washington dedicam-se a um diálogo de surdos.

Segundo Serguei Lavrov, ministros dos Negócios Estrangeiros da Rússia, “infelizmente, desde o início, houve muitos que quiseram destruir os acordos, incluindo no seio da administração norte-americana (…) Para nossa tristeza, esses, que estão contra uma resolução política para a crise na Síria, que estão contra o cumprimento das resoluções da ONU e que têm planos claros para resolver a situação pela força, foram bem-sucedidos”.

Para John Kerry, “o regime sírio e a Rússia parecem ter rejeitado a diplomacia em prol da tentativa de alcançar uma vitória militar em cima de cadáveres, hospitais bombardeados e crianças traumatizadas numa terra que há muito sofre. Quem, de uma forma séria, quer a paz, comporta-se de uma forma diferente daquela que a Rússia escolheu”.

Em cinco anos, a guerra na Síria já fez mais de 300.000 mortos e a paz continua a não passar de uma miragem longínqua.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque russo em zona controlada pelos rebeldes sírios mata dois civis

Ataque aéreo russo no noroeste da Síria faz pelo menos oito mortos

Ataque aéreo provoca várias vítimas mortais num mercado no noroeste da Síria