FC Porto SAD fecha 2015/2016 com prejuízo de 58,4 milhões de euros

FC Porto SAD fecha 2015/2016 com prejuízo de 58,4 milhões de euros
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Diminuição de mais valias na venda de jogadores motivou inversão dos resultados face ao lucro de quase 20 milhões do exercício anterior.

PUBLICIDADE

A SAD do FC Porto encerrou 2015/2016 com um prejuízo consolidado recorde de 58,411 milhões de euros, atribuindo a inversão face ao lucro de 19,352 milhões do exercício anterior à diminuição das mais-valias com a venda de jogadores.

Em conferência de imprensa no Porto, o administrador da SAD (Sociedade Anónima Desportiva) portista Fernando Gomes admitiu que “não são bons resultados”, mas assegurou que traduzem “uma política assumidamente definida pela administração”. “Estes maus resultados não acontecem por acaso, mas porque a equipa técnica do futebol e a administração se puseram de acordo que este ano seria assim”, afirmou.

FC Porto – Salários aumentaram 25 milhões de euros desde 2013/14. Títulos foram zero https://t.co/6QXqSDpXsV

— Diário Record (@Record_Portugal) 12 de outubro de 2016

Explicando que, “tradicionalmente, o FC Porto tem saldo negativo nas suas receitas e custos ordinários”, compensando-o com “a receita extraordinária das mais-valias de venda de jogadores” — que na época passada atingiu o valor líquido recorde de 82,5 milhões de euros —, Fernando Gomes disse ter sido decidido pela administração da SAD que “este ano não se justificava prosseguir de uma forma imponderada essa política”, pelo que as mais-valias com passes se quedaram pelos 38,658 milhões de euros.

Según el diario alemán Bild, el #BvB esta interesado en Miguel Layún (#Porto), ademas el club esta dispuesto a pagar 12 millones de Euros. pic.twitter.com/EWO7Hnlf6U

— Mundo Liga MX (@MundoLigaMX) 9 de outubro de 2016

Assim, disse, apesar das “ofertas de clubes estrangeiros” (no valor total de 95 milhões de euros) para venda de Danilo, André Silva e Herrera, num cenário em que o FC Porto “não tinha conseguido o acesso à Liga dos Campeões e era preciso garantir condições de competitividade”, foi decidido que estas vendas seriam “um grande golpe, nomeadamente na luta pelo acesso às competições europeias”, pelo que o clube abdicou da obtenção destas mais-valias “para manter a espinha dorsal da equipa”.

“Se tivéssemos vendido esses atletas, hoje estaríamos aqui a apresentar resultado positivos”, sustentou Fernando Gomes.

Além da diminuição das mais-valias com a venda de jogadores, também os piores resultados desportivos penalizaram as contas da SAD portista na época 2015/2016, com os proveitos operacionais, excluindo os proveitos com passes, a recuarem 17,778 milhões, para 75,811 milhões de euros, “fundamentalmente devido à quebra das receitas de participação nas provas europeias” (que passaram de 36,17 para 11,603 milhões de euros).

Já os custos operacionais, excluindo os custos com passes de jogadores, aumentaram 13% (em 14,091 milhões de euros), devido ao aumento dos custos com os fornecimentos e serviços externos (sobretudo por via da consolidação nas contas dos custos com o Porto Canal), “mas também pelo pagamento de indemnizações às equipas técnicas lideradas por Julen Lopetegui e José Peseiro”.

F. C. Porto pagou 4,3 milhões de euros em indemnizações https://t.co/9LPAGwllWopic.twitter.com/rqzYrc2WDk

— Jornal de Notícias (@JornalNoticias) 12 de outubro de 2016

Quanto às amortizações e perdas por imparidades com passes de jogadores e aos resultados com transações de passes, estas operações tiveram um saldo líquido de 7,102 milhões de euros, menos 44,025 milhões de euros do que no período homólogo.

Ainda assim, o capital próprio consolidado da SAD mantinha-se a 30 de junho positivo em 25,864 milhões de euros, inferior em 57,24 milhões de euros devido à incorporação do prejuízo da época passada.

O ativo cresceu 15,81 milhões de euros, para 375,045 milhões, “devido ao aumento do valor contabilístico do plantel”, que atingiu os 90,625 milhões de euros no final do exercício, e o passivo total agravou-se em 73,049 milhões de euros, para 349,181 milhões, sobretudo devido aos efeitos da consolidação do Porto Canal nas contas da SAD.

Texto: Lusa (PD/APS // VR)
Edição: Francisco Marques

No Olival houve preparação dupla para a Taça de Portugal.#FCPorto#training#myProteinpic.twitter.com/npjTLqLRXI

— FC Porto (@FCPorto) 12 de outubro de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Transferências 2023/24: Os maiores negócios e as derradeiras contratações

Lionel Messi vence a Bola de Ouro pela oitava vez

Portugal, Espanha e Marrocos vão organizar o Mundial de Futebol de 2030