Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Suspeito dos atentados de Paris renuncia ao direito à defesa

Suspeito dos atentados de Paris renuncia ao direito à defesa
Tamanho do texto Aa Aa

O principal suspeito dos atentados de Paris prefere o direito ao silêncio ao direito à defesa.

Saleh Abdeslam renunciou aos seus dois advogados, numa carta endereçada ao juíz de instrução.

A informação foi avançada pelos magistrados, o francês Frank Berton e o belga Sven Mary, que tinham decidido desistir da defesa de um cliente refugiado no silêncio.

Detido desde Abril numa prisão de alta segurança em França, Abdeslam recusava colaborar com a justiça.

O único sobrevivente do comando de bombistas que provocou 130 mortos há quase um ano em Paris é acusado de ter dado apoio logístico aos atacantes.

Para os advogados de defesa, “o abandono do cliente, é como um suicídio”.

Desde a sua detenção no bairro de Molenbeek em Bruxelas, em março, que o suspeito não tinha avançado mais informações sobre o seu papel nos ataques.

A polícia francesa tinha encontrado um cinto de explosivos abandonado em Paris, que poderia pertencer a Abdeslam.

O suspeito tinha recentemente apelado à justiça contra a videovigilância permanente a que está submetido desde a detenção.