Última hora
This content is not available in your region

Poderá Guterres reformar as Nações Unidas?

Poderá Guterres reformar as Nações Unidas?
Tamanho do texto Aa Aa

Com Sophie Desjardin, João Peseiro Monteiro e Reuters

A Organização das Nações Unidas cumpre este ano 71 anos de existência.

Uma existência carregada de críticias por parte da Comunidade Internacional, a mesma Comunidade Internacional responsável pela sua eficácia e pelo resultado das suas ações.

Os mais críticos dizem que a velha máquina onusiana precisa de uma reforma urgente e muito profunda, de forma a ser mais democrática e mais representativa dos países do mundo.

Ora, a ONU acaba de eleger um novo Secretário-geral, o português António Guterres, que conta com 10 anos de experiência no terreno, enquanto Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados.

Guterres deverá assumir o cargo de Secretário-geral em janeiro próximo, na sede das Nações Unidas, na cidade de Nova Iorque. No entanto, muitos se perguntam se é ele a pessoa indicada para a dura e incumprida tarefa de reformar a ONU.


Espera-se de Guterres um papel mais ativo a respeito dos grandes conflitos internacionais. Uma figura mais próxima de Koffi Annan, que ocupou o cargo entre 1997 e 2007 do que do atual Secretário-geral, o sul-coreano Ban Ki-Moon, tido como demasiado ineficaz e pouco determinado. Ban Ki-Moon foi alvo de duras críticas, por exemplo, a respeito da forma como acompanhou o conflito na Síria.

Os bloqueios entre os membros permanentes do chamado Conselho de Segurança e os conflitos de interesses na busca pela paz e o cessar de hostilidades não são novidade na História dos 70 anos da ONU. A atividade onusiana e o seu real impacto nos problemas do mundo já tinham sido postos à prova durante os conflitos do Ruanda e da Bósnia e Herzegovina, nos anos 90.

Há onze anos, um carismático Kofi Annan deixava o cargo de Secretário-geral e lançava um apelo no sentido de uma democratização do Conselho de Segurança da ONU:

“Peço aos Estados membros que façam do Conselho de Segurança um órgão mais representativo da Comunidade Internacional. Sugiro que o Conselho de Segurança renovado decida, numa clara declaração, os princípios a serem seguidos caso deva ser utilizada a força.”

Mas, anos mais tarde, depois das chamadas primaveras árabes e durante um sangrento conflito no Médio Oriente, o mesmo Conselho de Segurança, volta a falhar. Perante a complexidade do conflito na Síria, perante a oposição de interesses das grandes potências e atores regionais, o Conselho de Segurança desmorona-se e, com ele, qualquer possibilidade de chegar a uma paz efetiva.


Atualmente com cinco membros permanentes, o Conselho de Segurança é alvo de muitas propostas de reforma. Há quem sugira, por exemplo, mais membros permanentes, incluidos Estados Africanos, assim como uma reformulação do poder de veto.

O veto constitui, atualmente, o principal entrave à ação do Conselho, já que qualquer um dos cinco membros pode por um travão às iniciativas de terceiros.