Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Polémica: Diretora-geral da UNESCO diz que "património de Jerusalém é indivisível"

Polémica: Diretora-geral da UNESCO diz que "património de Jerusalém é indivisível"
Tamanho do texto Aa Aa

A UNESCO reforça que o património de Jerusalém é indivisível.

Com esta resolução absurda a UNESCO perdeu a pouca legitimidade que ainda lhe restava.

Benjamin Netanyahu Primeiro-ministro de Israel

A diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, Irina Bokova, afirmou que judeus, muçulmanos e cristãos “têm direito ao reconhecimento explícito da história e laços com a cidade”, reagindo assim à adoção pelo conselho executivo de uma resolução, apresentada pela Palestina, onde se ignora a tradição judaica de alguns locais de Jerusalém.

O presidente do conselho executivo, com 58 membros, evidencia que esta é uma matéria fraturante pois só 24 votaram a favor. Para Michael Worbs, essa divisão é externa à UNESCO, uma vez que os membros do conselho representam vários governos.

Israel considerou que os termos do documento negam a relação do lugar com a religião judaica e suspendeu a cooperação com a organização.

“Com esta resolução absurda a UNESCO perdeu a pouca legitimidade que ainda lhe restava. Acredito que a verdade histórica é mais forte e a verdade vai prevalecer”, afirmou o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu.

O documento critica a gestão de Israel da Esplanada das Mesquitas, referida em todo texto como complexo de Al-Aqsa e nunca como Monte do Templo, como é conhecido na tradição judaico-cristã, onde está situado o Muro das Lamentações, o lugar mais sagrado do judaísmo.