Última hora
This content is not available in your region

Preparado para ter um carro que se conduz sozinho?

Preparado para ter um carro que se conduz sozinho?
Tamanho do texto Aa Aa

O futuro dos carros autónomos foi um dos temas em destaque no Paris Motor Show deste ano.

Grandes fabricantes como a Ford, a Mercedes, a BMW e a Volvo estão a testar veículos que se conduzem sozinhos em ambientes controlados. Mas há empresas, como a Tesla, que já têm automóveis com algumas funções de condução autónoma. Não obstante, os primeiros acidentes devido a falhas no piloto automático também já aconteceram.

Para quando um veículo totalmente autónomo, capaz de ultrapassar obstáculos de condução, por exemplo, numa cidade?

Jim Holder, diretor editorial da Autocar, responde: “A tecnologia de condução autónoma está a evoluir. No próximo ano iremos vê-la na produção de carros, onde já se pode largar o volante durante 30 segundos, que o carro conduzir-se-á sozinho na autoestrada, por exemplo. E a evolução vai continuar por etapas. Prevê-se que a cada cinco, dez, anos o carro tenha mais funções autónomas, até ao ponto em que o condutor possa simplesmente recostar-se” e aproveitar a viagem.

Enquanto isso, as empresas estão a investir fortemente na conectividade dos carros aos novos serviços de controlo de trânsito.

Um veículo sem condutor terá certamente um design diferente. Mas o que também irá mudar é a relação homem/máquina.

Holder assegura: “O veículo autónomo está a chegar. Mas os fabricantes ainda estão a discutir quanto controlo deve ter um carro ou um condutor. Há um problema de legislação: se houver um acidente, de quem é a culpa. E há ainda uma discussão sobre se um carro continua a ser um carro depois de o humano lhe ceder todo o controlo.”

As opiniões quanto a automóveis conduzirem-se sozinhos variam.
Há pessoas mais otimistas: “É a evolução. Porque quereria eu conduzir até ao escritório e estar atento à estrada quando poderia estar a ler o jornal ou um livro, ou até a tirar uma sesta enquanto o carro me leva para casa. Parece-me fantástico”, diz um inglês.
E há os que ainda se mantêm desconfiados: “De momento, não confio neste tipo de veículos. Nos próximos anos terão de me provar que posso confiar. Por enquanto, prefiro ser eu a conduzir”, afirma um francês.

Ver um carro conduzir sozinho pode, no entanto, estar mais próximo do que se julga. Em Singapura, por exemplo, os primeiros táxis autónomos já começam a dar boleia e o objetivo final é ter uma frota de táxis totalmente autónomos até 2018.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.