Última hora

Última hora

Equador "silenciou" Assange para evitar ingerência na campanha eleitoral nos EUA

Equador "silenciou" Assange para evitar ingerência na campanha eleitoral nos EUA
Tamanho do texto Aa Aa

O Equador reconhece ter limitado o acesso à Internet do fundador do Wikileaks Julian Assange, refugiado na embaixada do país em Londres.

Num comunicado, divulgado esta noite, as autoridades equatorianas justificam a decisão como uma forma de evitar qualquer ingerência, “nos assuntos de outros países”, e na atual campanha eleitoral nos EUA.

A restrição imposta a Assange ocorre depois do Wikileaks ter publicado vários documentos comprometedores para a atual candidata democrata Hillary Clinton.

O departamento de Estado norte-americano negou qualquer responsabilidade na decisão de Quito.

O Equador tinha concedido o asilo polïtico a Assange, na embaixada de Londres em 2012, para evitar uma possível extradição do editor do Wikileaks.