Última hora
This content is not available in your region

Equador "silenciou" Assange para evitar ingerência na campanha eleitoral nos EUA

euronews_icons_loading
Equador "silenciou" Assange para evitar ingerência na campanha eleitoral nos EUA
Tamanho do texto Aa Aa

O Equador reconhece ter limitado o acesso à Internet do fundador do Wikileaks Julian Assange, refugiado na embaixada do país em Londres.

Num comunicado, divulgado esta noite, as autoridades equatorianas justificam a decisão como uma forma de evitar qualquer ingerência, “nos assuntos de outros países”, e na atual campanha eleitoral nos EUA.

A restrição imposta a Assange ocorre depois do Wikileaks ter publicado vários documentos comprometedores para a atual candidata democrata Hillary Clinton.

O departamento de Estado norte-americano negou qualquer responsabilidade na decisão de Quito.

O Equador tinha concedido o asilo polïtico a Assange, na embaixada de Londres em 2012, para evitar uma possível extradição do editor do Wikileaks.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.