EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Equador "silenciou" Assange para evitar ingerência na campanha eleitoral nos EUA

Equador "silenciou" Assange para evitar ingerência na campanha eleitoral nos EUA
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Equador reconhece ter limitado o acesso à Internet do fundador do Wikileaks Julian Assange, refugiado na embaixada do país em Londres.

PUBLICIDADE

O Equador reconhece ter limitado o acesso à Internet do fundador do Wikileaks Julian Assange, refugiado na embaixada do país em Londres.

Num comunicado, divulgado esta noite, as autoridades equatorianas justificam a decisão como uma forma de evitar qualquer ingerência, “nos assuntos de outros países”, e na atual campanha eleitoral nos EUA.

Comunicado Oficial | Ecuador respeta principio de no intervención en asuntos de otros países
https://t.co/QTugnLIh9Wpic.twitter.com/pPEvfH2thx

— Cancillería Ecuador (@CancilleriaEc) October 18, 2016

A restrição imposta a Assange ocorre depois do Wikileaks ter publicado vários documentos comprometedores para a atual candidata democrata Hillary Clinton.

O departamento de Estado norte-americano negou qualquer responsabilidade na decisão de Quito.

O Equador tinha concedido o asilo polïtico a Assange, na embaixada de Londres em 2012, para evitar uma possível extradição do editor do Wikileaks.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espiral de violência no Equador

Candidata socialista foi a mais votada na primeira volta da presidencial equatoriana

Acabou a violenta campanha eleitoral no Equador, domingo há eleições