EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Migrantes de Calais estão a ser distribuídos por centros de acolhimento em toda a França

Migrantes de Calais estão a ser distribuídos por centros de acolhimento em toda a França
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os migrantes que viviam no campo de Calais estão a ser distribuídos por vários centros de acolhimento em toda a França.

PUBLICIDADE

Os migrantes que viviam no campo de Calais estão a ser distribuídos por vários centros de acolhimento em toda a França. Vinte e oito, dos quais 27 sudaneses e um afegão, chegaram, segunda-feira, a Villeurbanne, nos arredores de Lyon, onde foram recebidos pelo prefeito da região do Ródano.

“Esta é a implementação de uma política decidida e posta em prática pelo Governo, de forma a acabar com uma situação vergonhosa, que durou demasiado tempo em Calais. É uma forma de pôr fim a esta situação de uma maneira humana, de acordo com as tradições e os valores da República”, sublinhou o prefeito Michel Delpuech.

Bienvenue à Lyon, la République est plus fière dans ses valeurs en accueillant M Delpuech #calaispic.twitter.com/9Z4n7Ud03H

— Préfet Rhône (@prefetrhone) October 24, 2016

Estes 28 imigrantes vão ser alojados em propriedades pertencentes à associação Habitat et Humanisme, que trabalha para conseguir dar um teto e inserir pessoas em dificuldades.

À região Auvergne-Rhône-Alpes devem chegar, no total, 751 migrantes até ao final da semana.

Centres d'accueil et d'orientation #CAO : un hébergement et un accompagnement pr aider les migrants à préparer leur avenir #jungleDeCalaispic.twitter.com/j7ZncT8fCR

— Ministère Intérieur (@Place_Beauvau) October 24, 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Campo de migrantes de Calais começa a ser demolido

Criança de 7 anos morre em naufrágio de barco com migrantes que tentava atravessar Canal da Mancha

Mortes de migrantes no Canal da Mancha levantam questões em Londres e Paris