Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

EUA: Obama em força em evento Democrata na Florida

EUA: Obama em força em evento Democrata na Florida
Tamanho do texto Aa Aa

Com Associated Press

Barack Obama começa a dar tudo por tudo nas suas aparições em eventos da campanha Democrata, como nesta sexta-feira, quando marcou presença no campus de Orlando da Universidade Central da Florida.

O presidente dos Estados Unidos foi recebido por cerca de 9 mil pessoas.

Foi um Obama cheio de energia que puxou pela multidão, determinado em contribuir para a eleição de Clinton e em proteger a sua herança da Casa Branca, que o adversário RepublicanoDonald Trump disse ter a intenção de “destruir em tempo recorde.”

Obama pediu à assistência “muito trabalho” tal como “tinham feito por ele”, de forma a que Clinton seja eleita presidente dos Estados Unidos da América.
Florida, fundamental para a eleição
É a segunda vez em poucas semanas que Barack Obama se desloca à Florida, um dos estados mais importantes da União no que ao colégio eleitoral diz respeito.

O sistema de eleição presidencial dos EUA implica que cada estado da União possui um determinado número de votos eleitorais, de acordo com a população residente em cada unidade federada.

A Florida, atualmente com mais de 20 milhões de habitantes, conta com 29 votos eleitorais.

A sua relativa volatilidade eleitoral – de tendência Republicana, o estado votou por Barack Obama em 2008 e em 2912 – faz deste um estado particularmente importante para os candidatos, pelo que Obama pediu cuidado com o que definiu como “excessos de auto-confiança”.

Obama pediu ainda apoio para os candidatos Democratas às câmaras legislativas em Washington (Câmara dos Representantes e Senado).

Relembrou que ter um presidente Democrata “não era suficiente”, já que um Congresso dominado pelos Republicanos pouco interessados em cooperar com Clinton não seria demasiado vantajoso.