Síria: Começou o assalto a Raqqa

Síria: Começou o assalto a Raqqa
De  Dulce Dias com AFP, Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A operação visa reconquistar Raqqa ao autoproclamado Estado Islâmico, que fez desta cidade a sua capital de facto, na Síria

PUBLICIDADE

O assalto à cidade síria de Raqqa já começou. A ofensiva tinha sido anunciada, pouco antes, pelas Forças Democráticas da Síria, aliança formada por grupos armados árabes e curdos, que pediram à população que abandonasse a cidade.

Apoiada pela coligação liderada pelos Estados Unidos e alicerçada nos YPG – as “Unidades de Proteção do Povo”, uma das mais poderosas milícias curdas da Síria -, a operação “Cólera do Eufrates” visa reconquistar Raqqa ao autoproclamado Estado Islâmico, que fez desta cidade a sua capital de facto, na Síria.

This kurdish female is leading the operation to liberate #raqqa from #ISIS#twitterkurdspic.twitter.com/xzuBjlJSej

— Aüd™ (@CodeAud) 6 novembre 2016

La campagne des #FDS pour libérer #Raqqa, Colère de l'Euphrate sera dirigée par Rojda Felat. pic.twitter.com/nOREm9y91I

— RojavaFrance (@RojavaFrance) 6 novembre 2016

A retoma de Raqqa ocorre em simultâneo com a batalha de Mossul, o outro bastião dos jihadistas, mas no Iraque.

Para os dirigentes ocidentais, a erradicação do Estados Islâmico passa obrigatoriamente pela reconquista de Raqqa.

Situada nas margens do rio Eufrates, perto da fronteira turca, Raqqa, que contava 240 mil habitantes antes do conflito sírio ter início, foi a primeira capital provincial a cair nas mãos dos opositores ao regime de Bachar AL-Assad, em 2013, antes de ser tomada pelo Estado Islâmico, no verão de 2014.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Síria: Combates retomam em Alepo, após trégua humanitária

Macron anuncia apoio de três mil milhões de euros à Ucrânia durante visita de Zelenskyy a Paris

Guerra na Faixa de Gaza é um conflito mortal para jornalistas