Rússia nega envolvimento em alegado plano para assassinar Primeiro-ministro do Montenegro

Rússia nega envolvimento em alegado plano para assassinar Primeiro-ministro do Montenegro
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Rússia nega qualquer envolvimento num alegado plano para assassinar o Primeiro-ministro do Montenegro.

PUBLICIDADE

A Rússia nega qualquer envolvimento num alegado plano para assassinar o Primeiro-ministro do Montenegro. Uma informação que foi avançada, este domingo, pelo procurador que está a investigar o alegado complô, do qual fariam parte 500 pessoas entre elas francoatiradores que matariam, no parlamento, Milo Djukanovic, O objetivo era que um partido da oposição, pró-russo, assumisse o poder.

Segundo o procurador os responsáveis são “nacionalistas russos”:

“Vamos continuar a cooperar com a Rússia porque, nesta fase do processo, recolhemos provas que indicam que os organizadores deste grupo criminoso são nacionalistas da Rússia, cidadãos russos”, afirmou, em conferência de imprensa, Milivoje Katnic.

Durante as eleições de 16 de outubro cerca de duas dezenas de cidadãos sérvios e montenegrinos, incluindo um antigo comandante das forças especiais da Sérvia, foram detidos no país. Catorze deles permanecem sob custódia, incluindo alguns que lutaram ao lado dos rebeldes no leste da Ucrânia.

O Montenegro foi convidado a aderir à NATO, isto apesar da forte oposição da Rússia. A concretizar-se isto significa que Moscovo perde o acesso estratégico e privilegiado ao Mar Adriático e que a Sérvia passa a ser o seu único aliado na região.

Com APTN

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

No Montenegro, russos e ucranianos rezam juntos pela paz

Polícia alemã deteve dois homens suspeitos de serem espiões russos

Pelo menos 13 mortos e 61 feridos em ataque russo à cidade ucraniana de Chernihiv