EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Da Lua até Marte: Jan Wörner e o futuro da Agência Espacial Internacional

Da Lua até Marte: Jan Wörner e o futuro da Agência Espacial Internacional
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ser responsável por uma agência espacial pode envolver a tomada de decisões sobre missões a Marte e à Lua; a construção de novas naves espaciais ou até a aterragem num cometa, mas também envolve a tom

Ser responsável por uma agência espacial pode envolver a tomada de decisões sobre missões a Marte e à Lua; a construção de novas naves espaciais ou até a aterragem num cometa, mas também envolve a tomada de decisões sobre financiamento e estratégia. O convidado de Global Conversation é Jan Wörner, Diretor Geral da Agência Espacial Europeia,.

Jeremy Wilks, euronews: “Estamos no Centro Europeu de Astronautas, em Colónia, na Alemanha. É aqui que os astronautas treinam antes de irem para o espaço, mas qual é o futuro da Estação Espacial Internacional – porque este é o grande ponto de interrogação neste momento?…”

Jan Wörner, Diretor Geral da Agência Espacial Europeia: “Para nós é muito claro: a estação espacial vai funcionar até 2024 ou mais. Todos os outros parceiros – os americanos, os russos, os japoneses e os canadianos – já decidiram isso. Agora cabe aos europeus confirmar este prazo também. Espero que haja esta confirmação no encontro de ministros dos nossos 22 estados membros.”

euronews: “E depois de 2024, o que acontece?”

Jan Wörner: “Ninguém sabe – os americanos pretendem transformá-la numa estação mais comercial”.

euronews:“Como um hotel espacial?”

Jan Wörner: “Por exemplo, mas não só. Também para o uso público, impulsionado por entidades comerciais, porque a microgravidade é de extrema importância para a investigação, principalmente para os astronautas e para investigações sobre a osteoporose”.

euronews: “Como uma empresa farmacêutica a fazer experiências no espaço, ou um fabricante de automóveis a enviando algo para o espaço?”

Jan Wörner: “Porque não? Estamos abertos a isso. Para que a estação espacial Internacional se torne mais atrativa é preciso facilitar o acesso, porque normalmente é muito demorado.”

euronews: “Qual é o próximo passo da Estação Espacial Internacional? Imaginando que ganha uma nova vida, para onde vamos? Porque quando tomou posse falou muito sobre ir à Lua, a NASA fala sobre ir a Marte – para si, qual é o próximo passo?”

Jan Wörner: “Os americanos falam de uma “viagem a Marte”, o que eu acho uma ótima ideia. Não dizem que “vamos até Marte amanhã”: falam de uma “viagem a Marte” – que é algo diferente.”

euronews: “Sim, existe uma diferença subtil.”

Jan Wörner: “Esta viagem a Marte tem vários passos e um deles é a Lua. Portanto, não é contraditório que eu seja a favor de enviar algo para a superfície da Lua; e o que os americanos estejam a propor ir a Marte, mas o meu objetivo é um pouco mais rápido.”

euronews: “A ExoMars e a Rosetta são dois grandes acontecimentos deste ano. Sobre a Rosetta… A missão chegou ao fim. Como foi para si, já que foi um momento bastante emocionante…”

Jan Wörner: “Sim, claro, foi uma missão fascinante. Durante 10 anos num ambiente bastante difícil, sem paragens pelo meio ou novo combustível. Chegar ao cometa, 10 anos depois, já era uma grande conquista e o pouso do Philae foi inacreditável Sim, foi inspirador e motivante.”

euronews: “Tem planos para uma sequela? Como os blockbusters de Hollywood – vai haver uma Rosetta 2? O que vem a seguir?

Jan Wörner: “Estamos a planear algo e temos a missão AIM – que estamos a propor aos nossos ministros: gostaríamos de voar até a uma pequena lua de um asteroide, para a investigar, mas também para proteger a Terra de futuros asteroides que possam cair. Temos este tipo de missões planeadas”.

euronews: “A ExoMars não foi tão bem sucedida como a Rosetta e o Philae. Embora possa defender que foi: escreveu aquele post no blog a dizer que foi bem sucedida a 96%, mas visto de fora, cair em Marte a 300 km/h não é propriamente um sucesso…”

Jan Wörner: “Eu sei que visto de fora é algo diferente, mas pousar em Marte é realmente difícil. Sim, caiu à superfície, mas a vantagem é que temos todos os dados até ao acidente. Para um cientista e para um engenheiro, isto é o mais importante.”

euronews: “Está confiante que vai conseguir convencer os ministros, no final do mês, a assinarem o cheque necessário para a ExoMars?

Jan Wörner: “Estamos a tentar convencê-los. Pessoalmente acredito que procurar vida em Marte perfurando a superfície é algo muito interessante e inspirador, mas é claro que custa dinheiro, precisamos de algum dinheiro adicional dos ministros. Espero que possamos convencê-los, mas no final são eles que decidem.”

euronews: “Quanto a outros grandes projetos em cima da mesa, como o lançador Ariane 6. Está dentro do prazo, do orçamento, quando é que o primeiro lançamento vai acontecer?

Jan Wörner: “Fizemos uma investigação e uma revisão de todo o programa, que era uma condição necessária para avançar. E não existe apenas o lançador Ariane 6, mas também o 64 e o 62, duas versões do Ariane 6, e ainda o Vega C. Esta revisão foi muito bem sucedida do ponto de vista técnico. Depois vamos precisar do acordos entre alguns dos principais países participantes.”

euronews: “O primeiro lançamento vai ser em 2020?”

Jan Wörner: “2021, sim, mas o Vega C será ainda mais cedo. Nessa altura vamos ter os primeiros lançamentos e tenho certeza que este grupo de lançadores vai ser muito competitivo”.

euronews: “Sente a concorrência do Space X?”

Jan Wörner: “Existe uma competição entre lançadores em todo o mundo. Para nós, a concorrência é algo muito importante, mas ao mesmo tempo é uma decisão estratégica. Não se trata apenas de uma questão de concorrência, é uma decisão estratégica ter um acesso autónomo ao Espaço, da Europa. E, com o Ariane 6 vamos ter apenas 50% do custo de lançamento, por isso é um grande passo.”

euronews: “Se, por exemplo, se eu quiser enviar o meu satélite para o espaço no Ariane 6, quanto custa um lançamento?”

Jan Wörner: “Temos que discutir esse assunto, mas se for cliente habitual, pedir-lhe-ia cerca de 70 milhões de euros. Mas se quiser comprar 10, ou algo assim…”

euronews: “Posso negociar o preço!?”

Jan Wörner: “Sim, mas depende.”

euronews: “Estamos aqui no centro europeu de astronautas. Pretendem recrutar novos astronautas? Os jovens que estiverem a ver podem sonhar com uma carreira de austronauta – ou não estão a recrutar de todo?”

Jan Wörner: “É uma questão importante. Se a Europa quiser levar a cabo voos espaciais tripulados – eu sou a favor – é preciso olhar para uma nova geração de astronautas, em breve. Mas é preciso garantir que existe a possibilidade de fazer estes voos. Como não temos capacidade própria para enviar astronautas é preciso procurar essas possibilidades, para que possamos enviar os nossos astronautas para fazer investigação no espaço. Portanto, depende muito da posição dos ministros sobre o futuro dos voo espaciais tripulados europeus.”

euronews: “Pessoalmente, gostaria de ser astronauta?”

Jan Wörner: “Gostaria. Se me oferecer um vôo amanhã cancelaria todos os meus compromissos e iria imediatamente!”

Sobre Jan Wörner

Assumiu a direção da ESA a 1 de Julho de 2015
Vai presidir o Conselho Ministerial da Agência Espacial Europeia em Lucerna, Suíça, a partir de 30 de Novembro de 2016
Anteriormente, Wörner, foi chefe do Centro Aeroespacial Alemão, de março de 2007 a junho de 2015
Wörner nasceu em Kassel, na Alemanha, em 1954 e formou-se em engenharia
Foi distinguido com a Ordem do Mérito da República Federal da Alemanha e França nomeou-o Cavaleiro da Legião de Honra francesa

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europeus sabem pouco sobre política espacial

Agência Espacial Europeia selecionou cinco novos astronautas entre mais de 20 mil candidatos

Rússia aborta lançamento do foguetão Angara-A5 a minutos da descolagem