Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

A tomada de Mossul pode obrigar um milhão de pessoas a fugir

A tomada de Mossul pode obrigar um milhão de pessoas a fugir
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Desde o início da operação militar para retomar o controlo da cidade iraquiana de Mossul aos jihadistas do Estado Islâmico (EI), mais de 47 mil pessoas foram já obrigadas a abandonar as respetivas zonas de residência.

Os combatentes do Daech, que controlam a cidade desde 2014, estão a servi-se dos civis como escudos humanos e os que tentam fugir estão a ser decapitados ou toturados.
Ahmade conta: “Tentei fugir de Mossul e consegui chegar a
Qayyara, onde fui capturado. Torturaram-me e perguntaram-me porque é que quis fugir da cidade e passar para as terras dos infiéis?”

Os escudos humanos são apenas uma das táticas utilizadas pelos jihadistas para tentarem travar o avanço do exército iraquiano, para além dos imensos túneis que foram escavando ou ainda os carros armadilhados, que lançam contra os soldados. No meio de tudo isto, que estratégia estão a adotar as forças iraquianas para socorrerem os civis?

“Até agora não temos retirado muita gente. A razão principal para este relativamente reduzido nível de evacuação é a estratégia adotada pelas forças de segurança. As forças de segurança iraquianas têm avisado as pessoas para ficarem em casa e só evacuamos as casas se fôr necessário, em caso de emergência”, diz um diretor de departamento do Ministério para as Deslocações e Migrações do Iraque, Diya’a Salal.

O governo iraquiano montou entretanto 10 mil tendas em dez campos de refugiados com a ajuda proveniente das Nações Unidas. Segundo as estimativas de Bagdade, a batalha de Mossul pode obrigar ao realojamento de entre 300 a 400 mil pessoas.

“Praticamente só o que fazemos é prestar primeiros socorros aos feridos, civis e militares. Mas, sobretudo, aos civis”, explica o primeiro oficial Mutaaz Kerim.

O risco de ver aumentar drasticamente o número de refugiados está diretamente relacionado com a mobilidade dos soldados no terreno, à medida que o exército avançar para a parte ocidental da cidade, como nos explicou Diya’a Salal: “O problema está na parte ocidental, porque é mais densamente povoada. As ações militares estão a prosseguir e as evacuações vão aumentar”.

A ofensiva já permitiu libertar mais de um terço da parte Leste, mas a zona ocidental está ainda nas mãos do Estado Islâmico.
As organizações humanitárias receiam que a batalha de Mossul produza mais de um milhão de refugiados e que, daqui até ao final do ano, cerca de 11 milhões de iraquianos precisem de ajuda humanitária.