Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Primeiro-ministro do Japão faz história com Donald Trump

Primeiro-ministro do Japão faz história com Donald Trump
Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro do Japão tornou-se esta quinta-feira no primeiro governante internacional a apertar a mão a Donald Trump desde que o empresário se tornou, a 8 de novembro, Presidente-eleito dos Estados Unidos da América.

Após este encontro, estou convencido de que o senhor Trump é um líder em quem podemos confiar.

Shinzo Abe Primeiro-ministro do Japão

Durante hora e meia, Shinzo Abe esteve reunido com o sucessor de Barack Obama na Trump Tower, em Nova Iorque, onde o Presidente-eleito está sediado. A filha do empresário, Ivanka Trump, também esteve presente.

No final da reunião, o chefe do Governo nipónico não abriu o jogo, evitando comentar as posições anti-Japão defendidas por Trump ao longo da campanha nem sequer se teriam sido abordadas as alegadas exigências de Tóquio começar a pagar melhor a proteção militar norte-americana ou o futuro da parceria transpacífica acordada por Obama e criticada pelo então candidato presidencial.

Shinzo Abe recusou “entrar em detalhes sobre a reunião”. “No entanto, acredito que sem confiança a aliança entre os nossos países nunca irá funcionar. Após este encontro, estou convencido de que o senhor Trump é um líder em quem podemos confiar”, garantiu o primeiro-ministro do Japão antes de rumar ao Peru para participar na cimeira da Cooperação Económica Ásia-Pacífico (APEC).

Renegado de Obama regressa com Trump

Outra das notícias à volta de Donald Trump prende-se com a formação da equipa com quem o Presidente-eleito vai trabalhar na Casa Branca. O nome mais recente a juntar-se à lista de convidados é o do Tenente Michael Flynn, de 57 anos.

O antigo diretor da Agência de Inteligência da Defesa (DIA, na sigla original) foi afastado há dois anos pela administração Obama devido às posições extremistas assumidas na guerra contra o terrorismo islâmico.

Apoiante de Trump durante a campanha presidencial, apesar de ser um democrata registado, Michael Flynn vai voltar ao ativo agora como conselheiro do Presidente para a Defesa Nacional.