Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Síria: Dezenas de crianças entre as vítimas de Alepo

Síria: Dezenas de crianças entre as vítimas de Alepo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As crianças de Alepo estão, de novo, a ser vítimas dos bombardeamentos indiscriminados contra os civis, na cidade mártir da Síria.

O dia de ontem foi sangrento no bairro de al-Farqan, na parte ocidental de Alepo, controlada pelo regime sírio. Um bombardeamento rebelde matou pelo menos oito crianças com idades entre 6 e 10 anos, na escola Saria Hasoun. No mesmo ataque morreram também dois adultos e 70 ficaram feridos.

Situada no noroeste da Síria, a maior cidade do país antes da guerra, como 2,5 milhões de habitantes, Alepo tornou-se num campo de batalha entre as forças do regime que controlam a parte ocidental e os rebeldes acantonados nos bairros do leste.

É nesta parte leste que se encontram encurraladas, há quatro meses, mais de 250 mil pessoas. O recomeço dos bombardeamentos na terça-feira por parte do governo com o apoio da Rússia, após duas semanas de cessar-fogo, fez 115 mortos, dos quais 18 crianças.

Para além dos bombardeamentos, há combates permanentes no terreno . Os civis, no meio, encontram-se numa situação dramática, sem praticamente nada para comer e com os hospitais encerrados ou em ruínas.

Em imagens filmadas no dia 19 de novembro e publicadas na internet pelo Centro dos Media de Alepo, vê-se o estado em que ficou um dos hospitais após o bombardeamento. Até agora, as equipas sanitárias e de salvamento tinham conseguido mantê-lo a funcionar, mas agora é impossivel.

Este domingo foi também sangrento no bairro de al-Akhour, no leste de Alepo. Uma família morreu asfixiada na sequência do rebentamento de um barril de explosivos. Um residente conta:
“O barril caiu aqui e o cheiro do cloro espalhou-se pelo beco. Estava aí uma família inteira – quatro crianças e os pais -. Tentámos reanimá-los mas já estavam mortos”.

A utilização do cloro nos bombardeamentos é contrária à Convenção para a Proibição das Armas Químicas. Damasco nega a sua utilização.