EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Sindicatos da alemã Lufthansa prolongam greve até sexta-feira

Sindicatos da alemã Lufthansa prolongam greve até sexta-feira
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os trabalhadores da companhia aérea alemã Lufthansa vão prolongar a greve iniciada ontem pelo menos até sexta-feira.

PUBLICIDADE

Os trabalhadores da companhia aérea alemã Lufthansa vão prolongar a greve iniciada ontem pelo menos até sexta-feira.

A paralisação, que levou ao cancelamento de mais de 1800 voos, afeta principalmente as deslocações de curta distância.

No total, mais de 215 mil passageiros foram obrigados a ficar em terra.

Segundo Harry Hohmeister, responsável pelo aeroporto de Frankfurt:

“Esta greve está a afetar-nos também ao nível das reservas a médio prazo. A cada greve perdemos o equivalente a 10 milhões de euros”.

A paralisação, a décima quarta em três anos, foi convocada pelos sindicatos dos pilotos e do pessoal de cabina.

Os trabalhadores exigem um aumento salarial anual de 3,7% nos próximos cinco anos.

Para o responsável do sindicato dos pilotos, Joerg Handwerg:

“Nós gostaríamos de poder descolar, mas não vamos parar a nossa luta salarial, só porque a direção da companhia considera que temos que voltar atrás na nossa posição”.

A greve fez com que a maioria dos aviões em Frankfurt e Munique permanecessem em terra.

Alguns aviões puderam, no entanto, descolar esta manhã para destinos como Hong Kong, Lisboa, Turim e Dresden.

Um passageiro afirma, “o que me chateia mais é que tudo isto é demasiado espontâneo, é impossível planear com antecedência. Não é que digam, ‘dentro de três dias vamos cancelar determinado voo’, tudo é decidido em cima da hora. Basicamente dizem aos passageiros que não podem embarcar”.

Outra passageira afirma:

“A minha paciência começa a esgotar-se. É uma situação inacreditável. Não, não posso continuar a ser compreensiva”.

A direção da Lufthansa rejeita ceder no braço de ferro, quando propõe um aumento de 2,5% anuais em seis anos.

A companhia que obteve um resultado financeiro recorde em 2015, defende a necessidade de cortar despesas para manter a competitividade face às rivais “low cost”.

A direção da Lufthansa tinha perdido dois recursos em tribunal para impedir a greve desta semana e obrigar os sindicatos a regressarem à mesa das negociações.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Campeonato europeu não tira economia alemã da estagnação

Polícia alemã mata homem que esfaqueou três pessoas numa festa do Euro 2024

Alemanha goleia Escócia no jogo inaugural do Euro 2024