A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Colombianos continuam divididos sobre acordo com as FARC

Colombianos continuam divididos sobre acordo com as FARC
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No rescaldo da assinatura do novo acordo entre o governo colombiano e as FARC, firmado, esta quinta-feira, depois do falhanço do primeiro chumbado em referendo, os sentimentos continuam divididos.

O novo documento não será referendado mas, diretamente, aprovado no Congresso.

As Forças Armadas Revolucionárias das Colômbia congratulam-se pela forma como tudo decorreu:

“Se houve alguma que nos deu segurança neste acordo, foi a presença e acompanhamento da comunidade internacional: dos EUA, da América Latina e da UE”, afirmou o comandante das FARC conhecido por “Timochenko”.

Nas ruas, aqueles que se bateram pelo fim de 50 anos de conflito e da guerrilha, fazem a festa. Há mesmo quem tenha sido vítima das FARC e se mostre aliviado e contente com o fim das hostilidades:

“O responsável pelas FARC pediu, formalmente, desculpas a todas as vítimas e comprometeu-se a que sejam as palavras e não as armas a imperar e que não morra mais ninguém pelas suas posições políticas. Penso que há, realmente, um compromisso”, diz Clara Rojas, que esteve seis anos em cativeiro.

Mas nem todos concordam com o acordo assinado. A oposição, de direita, não aceita o conteúdo do documento, mesmo depois de terem sido feitas alterações para tentar o consenso. O antigo presidente do país, Álvaro Uribe é um dos opositores:

“E pensem que se foi isto que fizeram com as FARC o que vão fazer com o país? Todos os dissidentes, o que vão fazer com o Exército de Libertação Nacional, com os 3500 grupos criminosos? Com os 150/170 mil hectares de narcotráfico?”

De uma forma ou de outras, os grandes desafios começam aqui:

“O novo texto, será aprovado aqui, no Congresso. Depois disso começa o período de implementação. Arranca também um período de 180 dias nos quais, pouco a pouco, as FARC deporão as armas sob supervisão das Nações Unidas”.