EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Pilotos da Lufthansa retomam greve terça e quarta-feiras

Pilotos da Lufthansa retomam greve terça e quarta-feiras
Direitos de autor 
De  Dulce Dias com EFE, AFP, REUTERS
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ao todo, cerca de 1700 voos serão cancelados nos proximos dois dias. As discussões salariais de sexta-feira, entre direção e sindicato, não deram em nada

PUBLICIDADE

Mais dois dias de dor de cabeça em perspetiva para os passageiros da Lufthansa. O sindicado de pilotos da companhia alemã anunciou a retoma da greve estas terça e quarta-feiras. Ao todo, cerca de 1700 voos serão cancelados.

The Pilots union VC resumes its strike again.Tuesday, 29NOV, short-haul flights & Wednesday, 30NOV, short- & long-haul flights are affected

— Lufthansa (@lufthansa) 28 novembre 2016

Na semana passada, registaram-se quatro dias de paralisação. E as discussões de sexta-feira, entre direção e sindicato, não deram em nada.

“A Lufthansa fez várias propostas ao sindicato Cockpit. E as conversações de ontem poderiam ter sido o início de novas negociações. Infelizmente, o sindicato interrompeu as conversações porque insiste na exigência de um aumento de salários de 20 por cento. Isto não pode continuar e o facto de termos mais dois dias de greve é uma grande desilusão para nós”, lamenta Martin Leutke, porta-voz da companhia.

“Há quatro anos que andamos a negociar. Se a Lufthansa quisesse, há muito que poderia ter resolvido a questão. Por isso, também rejeitamos a acusação de que não estaríamos dispostos a fazer compromissos. Já fizemos muitas e muitas negociações com a Lufthansa. Tentámos sempre novas soluções. No entanto, ainda não há uma oferta negociável sobre a mesa”, remata Jörg Handwerg, porta-voz do sindicato Cockpit.

A última proposta da companhia, apresentada sexta-feira, prevê um aumento escalonado de 4,4% até 2018. Os pilotos, que alegam não serem aumentados desde 2012, exigem um aumento acumulado de 22%, com efeitos retroativos desde 2012 até 2017.

A contestação em torno dos aumentos salariais começou na primavera de 2014. Desde então, já se registaram 14 movimentos de greve dos pilotos da companhia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Angela Merkel faz 70 anos: qual a popularidade da antiga chanceler?

NATO lança centro de comando da Ucrânia na Alemanha

Alemanha "preocupada" com resultados das eleições francesas apesar da derrota da extrema-direita