Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O trágico destino do pequeno clube de Chapecó

O trágico destino do pequeno clube de Chapecó
Tamanho do texto Aa Aa

Quando embarcou rumo a Medellín, na Colômbia, o Chapecoense sonhava com a maior vitória em 43 anos de existência. Agora vive um pesadelo que deixará marcas profundas.

A pequena equipa de Chapecó, no estado de Santa Catarina, preparava-se para disputar a primeira mão da final da Taça Sul-Americana, o equivalente da Liga Europa, frente ao Atlético Nacional, naquele que era sem dúvidas o momento mais brilhante na história do clube.

O Chapecoense passou grande parte da sua existência no futebol amador e só em 2014 chegou à elite do futebol brasileiro. O 15.º lugar na sua estreia no Brasileirão foi uma grande vitória para o clube que era apontado como o principal candidato à descida.

Apesar dos recursos modestos, os resultados melhoraram de ano para ano e 2016 tinha tudo para ser o melhor ano na história do clube, não o seu momento mais negro.

As manifestações de pesar sucedem-se um pouco por todo o mundo. A Confederação Brasileira de Futebol decretou uma semana de luto em que todas as atividades relacionadas com o desporto rei, as principais equipas do planeta também se juntaram à homenagem, fazendo um minuto de silêncio em memória das vítimas do acidente.

Deveria ter sido a vitória na Taça Sul-Americana a tornar o Chapecoense conhecido além-fronteiras, não um acidente de avião que deixou a equipa na trágica companhia de lendas como o Torino ou o Manchester United.