Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Liderança do Parlamento Europeu pode gerar batalha política

Liderança do Parlamento Europeu pode gerar batalha política
Tamanho do texto Aa Aa

Martin Schulz está prestes a deixar Bruxelas e a liderança do Parlamento Europeu, não sem antes abanar o equilíbrio político da instituição. Novos candidatos de todos os grupos políticos surgem todos os dias. Entre eles, do centro direita: o francês Alain Lamassoure, o irlandês Mc Guiness, o italiano Antonio Tajani e talvez Manfred Weber.

A grande estrela, o líder dos Liberais, Guy Verhofstadt ainda não disse se vai a jogo. De acordo com as nossas fontes, o antigo primeiro ministro belga tem todo o apoio do grupo para explorar todas as possibilidades, mas a decisão de se candidatar ainda não foi tomada.

Entretanto, ontem foi o dia dos Socialistas e Democratas que, por unanimidade, apoiam o atual líder, o italiano Gianni Pittella.

A grande questão agora é saber o que vai acontecer com a grande coligação que atualmente está no poder, entre o centro-direita e a facção socialista no Parlamento Europeu. Para responder a estas questões, connosco está o nosso correspondente no parlamento Sandor Zsiros. “Sandor, o colapso desta coligação é uma opção e o que representa para a União Europeia?

Sandor Zsiros, euronews: “É muito cedo para dizer se estamos nessa direção mas hoje Gianni Pittella começou a minimizar a importância da grande coligação.

Nos últimos dois anos vimos que a dupla Juncker-Schulz trabalhou tranquilamente e a maioria no Parlamento aprovou as propostas da Comissão. Se isso acabar, podemos passar um processo legislativo mais lento na União Europeia.

Outro importante factor é que os Socialistas em Bruxelas, aparentemente, têm um problema de identidade porque não se vê grande diferença entre eles e a direita em termos políticos. Assim podem passar a ter uma agenda mais virada para a esquerda se deixarem a grande coligação.

Outras notícias, a Comissão Europeia, num documento de mil páginas, apresentou as propostas para se manter competitiva com a transição das energias límpas para o mercado global de energia, nos próximos anos. Mas os ambientalistas não parecem muito convencidos.

Esta quinta-feira, o presidente tunisino Beji Caïd Essebsi, vai estar em Bruxelas para a primeira cimeira União Europeia Tunísia.