EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Nigéria: Depois do Boko Haram, a fome

Nigéria: Depois do Boko Haram, a fome
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O nordeste da Nigéria enfrenta uma das mais graves crises alimentares da atualidade. Em Maiduguri, os números de má-nutrição são alarmantes.

PUBLICIDADE

O nordeste da Nigéria enfrenta uma das mais graves crises alimentares da atualidade. Mais de 50 mil pessoas correm risco de vida por falta de acesso à alimentação. Em Maiduguri, os números de má-nutrição ultrapassam em muito os níveis de alerta.

Quase 2 milhões de pessoas tiveram de abandonar as suas casas no nordeste da Nigéria devido à violência do Boko Haram. Cerca de 9 milhões de nigerianos vivem na penúria alimentar. Há mais de 2 milhões de crianças com menos de 5 anos em situação de má-nutrição e a necessitar de ajuda urgente.

Aid Zone - NigeriaOs muitos habitantes que fugiram do grupo extremista islâmico Boko Haram enfrentam agora uma outra ameaça: a fome. Centenas de milhares de nigerianos procuraram abrigo na cidade de Maiduguri, a capital do Estado de Borno. A ONG Alima abriu uma clínica em agosto com o apoio da União Europeia. Todos os dias, recebe cerca de 100 crianças com menos de 5 anos.

“Este bebé tem um 1 ano e 3 meses. Pesa 6 quilos, que é o peso de um bebé de 4 meses”, mostra-nos Margaret Otuya, coordenadora da Alima.

Dado o seu estado de saúde, o pequeno Abubaka vai ter de ser transferido para um hospital. Diariamente, a clínica recebe uma média de 7 crianças em situação de má-nutrição muito grave.

“No espaço de 3 meses, assistimos a mais de 6 mil casos de má-nutrição; cerca de mil apresentavam um quadro muito sério. É um contexto alarmante. Os problemas mais comuns têm a ver com infeções respiratórias, diarreias agudas e malária”, diz-nos Margaret Otuya.

“O problema alimentar pode tornar-se numa catástrofe”

A UNICEF lança o alerta: cerca de 75 mil crianças correm risco de vida caso não recebam assistência nos próximos meses. Perguntámos a uma especialista da Solidarités International se a situação que se vive neste momento no Estado de Borno é comparável ao que aconteceu no Biafra ou na Somália.

“A percentagem total de habitantes afetados por esta crise é claramente inferior à do Biafra ou da Somália. No entanto, os números são alarmantes. Em vários Estados, os níveis de má-nutrição estão muito acima dos limites. Por exemplo: no que diz respeito a crianças gravemente malnutridas, o limite é de 2% – mas, em alguns casos, atinge-se os 9%; em termos de má-nutrição em geral, o nível de alerta é de 10%, mas atualmente registamos 37%”, responde-nos Cécile Barrière.

De acordo com as Nações Unidas, há ainda mais 2 milhões de pessoas a viverem nas zonas controladas pelo Boko Haram, onde a assistência humanitária não consegue chegar. Os habitantes das localidades que vão sendo libertadas são encontrados em situação extremas. Antes considerada relativamente segura, Maiduguri começou a ser palco de ataques suicidas todas as semanas. Durante a nossa reportagem, houve três atentados num só dia. Os deslocados vivem em acampamentos improvisados, edifícios abandonados depois de bombardeados ou em comunidades de acolhimento.

“Chegámos há um ano. A minha aldeia fica a 70 quilómetros. O Boko Haram tentou raptar os meus filhos, por isso é que tivemos de fugir. Todas as famílias perderam alguém”, conta Zara Dalla.

Semanalmente, Zara leva a filha, Aisha, para ser observada na clínica da Alima. “Esta é a terceira semana que ela está a ser acompanhada. Tem 2 anos de idade. Quando chegou, tinha 7,8 quilos. Agora tem 8,2, portanto as coisas estão a melhorar”, explica-nos Margaret Otuya.

—>

#AidZone is back from #Maiduguri, where we featured the serious food crisis in North Eastern #Nigeria. pic.twitter.com/xC4i5YtUbI

— Monica Pinna (@_MonicaPinna) 19 novembre 2016

Zara recebe alimentos e água para distribuir pela sua família. O fornecimento de água e as condições de higiene são uma das prioridades em Maiduguri, onde estão a ser construídas várias instalações sanitárias e pontos de abastecimento.

“Temos 9 pontos de abastecimento de água por construir. A instabilidade está a agravar-se, por isso há mais pessoas a chegar. Acredito que os novos pontos vão aliviar as necessidades de muita gente”, afirma Almoustapha Garba, da Solidarités International.

O gabinete de ajuda humanitária da União Europeia foi dos primeiros intervenientes no terreno. Chegou em 2013 e já canalizou ajudas na ordem dos 75 milhões de euros. Segundo Isabell Coello, representante deste organismo, “em termos de desalojados, esta é a crise que mais rapidamente se está a agravar. O volume de necessidades sem resposta é gigantesco. O problema alimentar pode tornar-se numa catástrofe”.

Até agora, a Nigéria recebeu cerca de metade dos 484 milhões de dólares em ajudas do plano humanitário da ONU. Mas o montante foi duplicado nos mais recentes pedidos de fundos, face ao agravamento do contexto neste país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líder militar vence eleições no Chade, apesar de alegações de fraude

Canárias recebem dezenas de migrantes por dia e já duplicaram centros de acolhimento

Comandante das Forças Armadas do Quénia morre em acidente de helicóptero