EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Turquia: Gerente de cafetaria detido por se recusar a servir chá a Erdogan

Turquia: Gerente de cafetaria detido por se recusar a servir chá a Erdogan
Direitos de autor 
De  Miguel Roque Dias com REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O gerente da cafetaria de um jornal da oposição turca foi detido, no sábado, por, alegadamente, ter dito que não serviria chá ao presidente turco Recep Tayyip Erdogan, caso visitasse o…

PUBLICIDADE

O gerente da cafetaria de um jornal da oposição turca foi detido, no sábado, por, alegadamente, ter dito que não serviria chá ao presidente turco Recep Tayyip Erdogan, caso visitasse o local.

A detenção ocorreu na cafetaria do jornal Cumhuriyet, opositor do regime de Ancara.

Senol Buran terá sido denunciado pelo polícia que faz segurança no periódico.

This man, Senol Buran, is a tea-maker at a Turkish opposition newspaper. He is spending this night in a prison in Istanbul. His crime? pic.twitter.com/4ALQSlbjNp

— Mahir Zeynalov (@MahirZeynalov) December 26, 2016

O advogado de Buran, Abbas Yalcin, afirma que as autoridades querem castigá-lo pois “O caso ocorreu no sábado à tarde. Escreveram o relatório oficial às 11 horas. Esperaram até às 22 horas e Senol foi levado sob custódia com três veículos blindados e foi acompanhado por cerca de 10 agentes da unidade de contraterrorismo “.

O advogado negou, ainda, que Buran tenha insultado o chefe de Estado turco, como alega o polícia.

Insultar o presidente é, na Turquia, um crime punível com pena de prisão até quatro anos.

O jornal Cumhuriyet tem criticado o Governo de Ancara.

Em novembro foram detidos dez funcionários, onde se incluem os editores.

Estão a aguardar julgamento e são suspeitos de terem cometido crimes em nome de militantes curdos e do clérigo Fethullan Gülen, exilado nos Estados Unidos, e que o Governo de Erdogan considera ter instigado o golpe de Estado falhado, em julho.

O Ministério do Interior turco informou que nos últimos seis meses mais de 1500 pessoas foram detidas por alegado apoio a organizações terroristas ou insultos nas redes sociais. Mais de 10 mil estarão, ainda, a ser investigadas.

Com: Reuters

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líderes dos rivais regionais Grécia e Turquia reúnem-se para estreitar relações

Responsáveis da discoteca que ardeu em Istambul detidos para interrogatório

Incêndio em discoteca de Istambul faz dezenas de mortos