Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Roménia: Constitucional exige explicações sobre alteração do Código Penal

Roménia: Constitucional exige explicações sobre alteração do Código Penal
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Tribunal Constitucional da Roménia deu até à próxima terça-feira (7 de fevereiro) para o Governo, o Parlamento e o Conselho de Magistrados apresentarem os respetivos argumentos sobre a alteração ao Código Penal aprovada esta semana pelo executivo de Sorin Grindeanu como decreto de emergência apesar os protestos da oposição e do próprio Presidente romeno, Klaus Ihoannis.

À margem desta controvérsia, o ministro da Justiça, responsável pelo polémico projeto-lei que inclui o aliviar de penas para crimes de corrupção, decidiu delegar no secretário de Estado Constantin Sima as respetivas funções ministeriais também até dia 7 de fevereiro. Florin Iordache diz pretender focar-se apenas no orçamento de Estado deste ano que está ainda a ser elaborado.

O atual governo de coligação centrista PSD-ALDE está em funções há menos de um mês — Sorin Grindeanu tomou posse como primeiro-ministro a 4 de janeiro — e esta semana aprovou o decreto de emergência que perdoa crimes de corrupção com impacto inferior a 200.000 lei (cerca de 45 mil euros) e que pode beneficiar, entre outros, o próprio líder do partido no governo, Liviu Dragnea, que enfrenta uma acusação de abuso na gestão de dinheiros públicos.

A monitorizar o país para um eventual acesso ao espaço Shengen, a Comissão Europeia reagiu com um aviso a Bucareste: se o combate contra a corrupção em curso na Roménia for de alguma forma prejudicado, poderá haver consequências.

Ex-líder parlamentar do partido no governo, Eugen Nicolicea diz-se “desapontado com as críticas” de Bruxelas porque “a monitorização da Comissão Europeia não respeita a lei romena nem a internacional”. O deputado lembrou à euronews que, “quando estava a ser avaliada para Shengen, foi pedido à Roménia para contrariar a própria Constituição”, o que na ótica de Nicolicea “prova a má-fé europeia ou a falta de profissionalismo.”

A oposição anunciou quarta-feira a intenção de apresentar uma moção de desconfiança contra o Governo. O Presidente Ihoannis recorreu esta quinta-feira ao Tribunal Constitucional para suspender o decreto de emergência do Governo e este órgão deu cinco dias às partes envolvidas para apresentarem os respetivos argumentos sobre a alteração do Código Penal.

Nas ruas, milhares de romenos continuam a exigir a demissão do governo eleito em dezembro e empossado há menos de um mês.