Última hora
This content is not available in your region

Roménia "não fez quase nada para evitar corrupção"

Roménia "não fez quase nada para evitar corrupção"
Tamanho do texto Aa Aa

O polémico decreto romeno alimentou um rol de críticas na Comissão Europeia e nas restantes instituições comunitárias.

Em Bruxelas, eleva-se o número de vozes que pedem uma maior pressão da União Europeia sobre Bucareste, nomeadamente entre europedutados romenos, como Siegfried Muresan:

“Temos 10 dias para tentar inverter as coisas, porque se no espaço de 10 dias o governo cancelar o seu próprio decreto, ele não entrará em vigor, nem danificará o Estado de direito e o sistema legal. Por isso, todos os parceiros internacionais, a Comissão Europeia, mas também os seus Estados-membros e parceiros do outro lado do Atlântico, como os Estados Unidos, devem usar todas as ferramentas de que dispõem para pressionar o atual governo, para que retire esta legislação.”

Outra eurodeputada romena, Norica Nicolais, do Partido Nacional Liberal, diz que é preciso atacar a raíz do problema:

“A corrupção é um problema na Roménia, como em muitos outros países da União Europeia. É preciso combatê-la, mas infelizmente a Roménia não fez quase nada para evitar a corrupção. Precisamos de ter leis claras, leis que não dêem nenhuma possibilidade de ser interpretadas a favor de um ou de outro.”

Nas últimas eleições gerais na Roménia, a abstenção foi superior a 60 por cento, um sinal da falta de confiança generalizada na classe política.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.