EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Tribunal japonês condena Estado por negligência no acidente nuclear de Fukushima

Tribunal japonês condena Estado por negligência no acidente nuclear de Fukushima
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A justiça japonesa reconhece pela primeira vez a responsabilidade do estado no acidente da central nuclear de Fukushima em março de 2011.

PUBLICIDADE

A justiça japonesa reconhece pela primeira vez a responsabilidade do estado no acidente da central nuclear de Fukushima em março de 2011.

Um tribunal de Maebashi, nos arredores de Tóquio, condenou o Estado e a companhia elétrica TEPCO ao pagamento de 316 mil euros de indemnizações por negligência.

Interpelados por um grupo de residentes da área afetada, os juízes consideraram que o acidente poderia ter sido evitado se as autoridades do país tivessem exigido à TEPCO de reforçar as medidas de segurança.

Dos 137 queixosos, obrigados a abandonar as casas, apenas 62 tinham sido indemnizados antes do processo.

O porta-voz do governo japonês rejeitou qualquer implicação da sentença sobre a política pró-nuclear do país.

A companhia elétrica TEPCO analisa a possibilidade de recorrer da decisão.

A justiça japonesa tinha já indiciado três responsáveis da empresa por negligência sem, no entanto, ter dado ainda início ao julgamento.

O acidente nuclear, após um violento terramoto e tsunami levou mais de 450 mil habitantes a abandonarem a área para escaparem aos altos níveis de radiação.

As autoridades reconhecem que a situação poderia ter causado a morte a mais de 3.500 residentes nos meses que se seguiram ao acidente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Todos os 28 arguidos do processo de fraude fiscal "Panama Papers" foram absolvidos

Julian Assange declarado "homem livre" por tribunal norte-americano das Ilhas Marianas

Hunter Biden, filho de Joe Biden, condenado em julgamento por três crimes de posse de arma