EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Chuva de Pulitzer's em Nova Iorque

Chuva de Pulitzer's em Nova Iorque
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Teve lugar ontem à noite a cerimónia dos mais importantes prémios de jornalismo nos EUA.

PUBLICIDADE

Teve lugar ontem à noite a cerimónia dos mais importantes prémios de jornalismo nos EUA. O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, o grupo McClatchy e o Miami Herald, que juntaram 400 jornalistas para examinarem os Documentos do Panamá, receberam o galardão pela reportagem explicativa sobre o dossiê conhecido como “Panama Papers”.

O trabalho revela a forma como políticos, criminosos e pessoas ricas desviam dinheiro para contas em paraísos fiscais, uma prática legal, embora moralmente duvidosa, a que as elites chamam agora “otimização fiscal”.

Esta foi a 101.ª edição do evento que distingue o que de melhor se fez em jornalismo no ano passado em 14 categorias para reportagem, fotografia, crítica e comentário. Nas artes, os prémios são concedidos em sete categorias, incluindo ficção, drama e música.

Três prémio Pulitzer foram para o diário The New York Times (NYT). Reportagem internacional, com uma série de notícias sobre os esforços do Presidente russo, Vladimir Putin, para projetar o poder da Federação Russa; fotografia (o repórter Daniel Berehulak documentou a violência nas Filipinas) e “feature” para C.J. Chivers, distinguido pela história de um ex-combatente na guerra do Afeganistão, que sofre de ‘stress’ pós-traumático.

David A. Fahrenthold, do The Washington Post, recebeu o prémio de reportagem nacional pelo trabalho em que aborda a alegada generosidade social de Donald Trump.

Na categoria de autobiografia, foi Hisham Matar a recolher a distinção, com um livro sobre a sua Líbia natal.

A Du Yun foi atribuído o prémio na categoria Música, pelo trabalho operático “Angel’s Bone”, que assenta na realidade do tráfico humano.

Um livro sobre a revolta na prisão de Attica, em 1971, da autoria de Heather Ann Thompson, recebeu o Pulitzer da categoria de História.

Na categoria de Drama, o livro “Sweat”, de Lynn Nottage, explorou o tema da luta de classes, descrevendo as consequências do encerramento de uma fábrica na Pensilvânia, em termos de rutura de famílias e amizades e de um ciclo devastador de violência, preconceito, pobreza e drogas.

Os distinguidos na categoria de serviço público recebem uma medalha de ouro. Os outros 15 mil dólares (14 mil euros) cada.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os Pulitzer depois do 'efeito Weinstein'

Juíza manda arquivar caso dos documentos secretos contra Trump

Biden pede aos americanos que evitem a violência política após tentativa de assassinato de Trump