EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Começou a evacuação de 4 cidades sírias na sequência de um acordo entre o regime e insurgentes

Começou a evacuação de 4 cidades sírias na sequência de um acordo entre o regime e insurgentes
Direitos de autor 
De  Euronews com REUTERS, LUSA, AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Com o entendimento, as forças de Assad abriram corredores nas cidades de Zabadani e Madaya. Em troca, os rebeldes permitiram a evacuação de Al-Foua e Kefraya, na região de Alepo, duas localidades de m

PUBLICIDADE

Um acordo entre o regime de Bashar al-Assad e rebeldes permitiu que milhares de civis e de combatentes começassem a abandonar, esta sexta-feira, várias localidades – duas cercadas pelo governo sírio, na região da capital, Damasco – e outras duas por rebeldes, no nordeste do país.

O acordo para a evacuação destas povoações foi mediado pelo Qatar, que apoia algumas fações rebeldes, e pelo Irão, um dos aliados do regime, a par da Rússia.

Com o entendimento, as forças de Assad abriram corredores nas cidades de Zabadani e Madaya. Em troca, os rebeldes permitiram a evacuação de Al-Foua e Kefraya, na região de Alepo, duas localidades de maioria xiita. No nordeste do país, mais de uma centena de autocarros foi vista a transportar civis e combatentes para fora das cidades, num total de mais de 7000 pessoas.

Segundo um grupo que monitoriza a guerra na Síria, depois de ter sido iniciada a evacuação de Madaya, forças do regime, que sitiavam a cidade há quase dois anos, assumiram o controlo de mais algumas áreas.

O acordo, selado em março, deverá permitir a cerca de 30 mil pessoas deixarem estas quatro cidades.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel ataca unidade de defesa aérea no sul da Síria com mísseis

Embaixador iraniano na Síria promete retaliação após alegado ataque israelita destruir consulado

Ataque israelita destrói consulado iraniano em Damasco e mata alta patente militar