EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Paris responsabiliza al-Assad por "ataque químico" em Idlib

Paris responsabiliza al-Assad por "ataque químico" em Idlib
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ministério dos Negócios Estrangeiros francês afirma ter provas de que gás sarin, fabricado em laboratório Sírio, foi utilizado no ataque.

PUBLICIDADE

Com AFP

O ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Jean-Marc Ayrault, deu a conhecer aos media, esta quarta-feira, um relatório dos serviços secretos franceses que responsabiliza o Governo de Bashar al-Assad em relação ao ataque com armas químicas levado a cabo em Khan Cheikhun.

Morream, no ataque, 87 pessoas, incluidas mais de 30 crianças.

“O método tem a marca do regime (sírio) e é por isso que podemos atribuir-lhe a responsabilidade pelo ataque”, disse o ministro francês dos Negócios Estrangeiros.

Paris diz não ter qualquer dúvida quanto à utilização de agentes químicos.

O relatório foi produzido com recurso a análises científicas realizadas no terreno pelas autoridades francesas e permite, segundo o ministro dos Negócios Estrangeiros, afirmar com toda a a certeza de que o agente químico utilizado foi produzido por laboratórios sírios.

Três dias depois do ataque, o exército dos Estados Unidos lançou um ataque contra uma base aérea do exército de Damasco.

Utilização de armas químicas “irrefutável” para a OIAC.

A Organização para a Proibição de Armas Químicas (OIAC/OPCW) concluiu, dia 19 de abril, que a utilização de gás sarin em Khan Cheikhun era irrefutável.

Posição igualmente defendida pelos Estados Unidos, pelo Reino Unido e pela Turquia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel ataca unidade de defesa aérea no sul da Síria com mísseis

Embaixador iraniano na Síria promete retaliação após alegado ataque israelita destruir consulado

Ataque israelita destrói consulado iraniano em Damasco e mata alta patente militar