EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

EUA preocupados com poderio nuclear e de mísseis balísticos da Coreia do Norte

EUA preocupados com poderio nuclear e de mísseis balísticos da Coreia do Norte
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os EUA querem mais sanções económicas e diplomáticas contra a Coreia do Norte.

PUBLICIDADE

Os EUA querem mais sanções económicas e diplomáticas contra a Coreia do Norte. O objetivo é aumentar a pressão sobre Pyongyang para que abandone os seus programas nuclear e de mísseis balísticos.

Num discurso perante o Conselho de Segurança das Nações Unidas, o Secretário de Estado norte-americano mostrou-se apreensivo:

“É, provavelmente, apenas uma questão de tempo até que a Coreia do Norte desenvolva a capacidade de atacar o continente norte-americano. Na verdade, o país tem, repetidamente, afirmado ter planos para fazer tal ataque. Dada essa retórica, os Estados Unidos não podem ficar parados. Nem podem fazê-lo outros membros deste conselho que possam ser atingidos pelos mísseis norte-coreanos”, afirmou Rex Tillerson.

O ministro chinês dos Negócios Estrangeiros concorda que se está num ponto crítico. Mas apela ao diálogo e à negociação:

“O uso da força não resolve as diferenças e só levará a desastres maiores. A única solução é o diálogo e a negociação. A nossa experiência sobre as questões nucleares mostra que só assim se manterá a estabilidade na península e se farão progressos no sentido da desnuclearização”, afirmou Wang Yi.

A televisão estatal norte-coreana KRT transmitiu, esta sexta-feira, mais um vídeo de Kim Jong Un a supervisionar mais um exercício no qual participaram as várias forças militares do país.

De acordo com este meio de comunicação tratou-se do maior exercício, com forças combinadas, já realizado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Trump: "Guerra com Coreia do Norte é uma possibilidade real"

SIDA pode deixar de ser ameaça à saúde pública em 2030, diz ONU

Zelenskyy diz na ONU que Rússia usa alimentos e crianças como arma