Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Papa Francisco: "O único extremismo dos crentes deve ser o da caridade"

Papa Francisco: "O único extremismo dos crentes deve ser o da caridade"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Com Lusa

O papa Francisco disse, no Cairo, perante milhares de pessoas, na sua maioria fiéis pertencentes aos grupos minoritários cristãos, que Deus “rejeita o extremismo” e que o único tipo de extremismo permitido é o da “caridade”.

No segundo e último dia da sua visita à capital egípcia, o papa celebrou a missa no Estádio 30 de Junho, onde foram adotadas medidas de segurança para tentar evitar possíveis ataques.

“A Deus só agrada a fé professada com a vida, porque o único extremismo que é permitido aos crentes é o de praticarem a caridade”, disse o papa na homilia.

O papa disse ainda que “qualquer outro tipo de extremismo não vem de Deus e não lhe agrada”.

As palavras do papa surgem 20 dias depois dos ataques contra a comunidade cristã copta, no norte do Egipto, que causaram 46 mortos e foram reivindicados pelos jihadistas do autoproclamado Estado Islâmico ou Daesh (na sigla em língua árabe).

Antes do início da missa, o pontífice saudou o público a partir de um carrinho de golfe, onde seguia também o patriarca copta católico Ibrahim Isaac Sedrak, enquanto percorria a zona envolvente do estádio, onde se encontravam cerca de 15 mil pessoas, segundo o Vaticano, 25 mil, segundo a agência noticiosa Estatal egípcia MENA.

O papa alertou também contra a ostentação das aparências, frisando que Deus “odeia a hipocrisia”.

“Para Deus, é melhor não acreditar do que se ser um falso crente, um hipócrita”, disse Francisco.

Na sexta-feira, o papa apelou também aos líderes muçulmanos reunidos no Cairo a um “forte e claro não” a toda a violência em nome de Deus, alertando para “a instrumentalização” da religião por parte do poder.

O papa aproveitou também o evento, organizado pela Universidade de al-Azhar, para dizer que os responsáveis religiosos são chamados a “desmascarar a violência que se veste de uma suposta sacralidade”.