Última hora
This content is not available in your region

Hamas aceita um Estado Palestiniano limitado às fronteiras de 1967

Access to the comments Comentários
De  Miguel Roque Dias com AFP, EFE, Reuters
euronews_icons_loading
Hamas aceita um Estado Palestiniano limitado às fronteiras de 1967
Tamanho do texto Aa Aa

O Hamas aceita a criação de um Estado palestiniano circunscrito às fronteiras de 1967.

A nova carta constitucional do movimento islamista foi apresentada pelo atual líder Khaled Meshaal, em Doha, no Qatar, onde se encontra exilado.

O documento afirma que “o estabelecimento de um Estado palestiniano inteiramente soberano e independente dentro das fronteiras de 4 de junho de 1967, com Jerusalém como capital, é uma fórmula de consenso nacional.

O movimento islamista palestiniano recusa-se, no entanto, a reconhecer o estado de Israel.

Telavive já reagiu. Para o porta-voz do governo israelita, David Keyes: “a motivação do Hamas é, claramente, aliviar alguma da pressão internacional. O que eles estão, basicamente, a tentar fazer é enganar o mundo, dizendo-lhe: ‘não somos tão maus como vocês pensam’ mas quando olhamos para o que eles dizem em árabe, na Al-Aqsa, nas estações de televisão do Hamas, nas suas mesquitas, nas suas escolas… pedem, diariamente, para destruírem Israel.”

O Hamas insiste no caráter político e não religioso do conflito com os hebreus.

O documento parece moderar o discurso do movimento, fundado há trinta anos e que, há 10 controla a Faixa de Gaza.

O último conflito entre o Hamas e Israel, em 2014, despoletado com o assassinato de três jovens israelitas, fez, de acordo com as organizações internacionais, mais de dois mil mortos, na sua maioria civis.

O Hamas é considerado como “terrorista” pelos Estados Unidos da América, pela União Europeia e por Israel.

Com: AFP, EFE, Reuters