A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Estrangeiros que se juntam às fileiras do Daesh

Estrangeiros que se juntam às fileiras do Daesh
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Organizado pelas autoridades do Azerbaijão e pelas Nações Unidas, este Fórum recebeu membros de cinquenta organizações que lutam contra o extremismo. De acordo com especialistas da ONU, as restrições de viajar para zonas de conflito diminuíram o fluxo de terroristas estrangeiros que se juntam ao Daesh, em comparação com o ano passado. No entanto, o problema do recrutamento ainda continua. Desde o início da guerra na Síria alistaram-se nas fileiras do Daesh, aproximadamente, 30 mil militantes estrangeiros, vindos de cerca de 100 países.

Alexander Zuev, Secretário-Geral Adjunto das Nações Unidas explica:
“a maior parte das pessoas fala apenas do recrutamento na Internet, mas fizemos uma série de pesquisas e percebemos que o ambiente familiar, os grupos culturais e sociais dentro das comunidades podem desempenhar um papel muito importante no recrutamento”.

A religião não é o único motivo para a radicalização. As mulheres, que representam 10% dos militantes terroristas estrangeiros, por vezes juntam-se aos grupos terroristas após serem vítimas de islamofobia ou assédio. Mas geralmente seguem os maridos, pais ou irmãos.

Mohamed Sameh Amr, Delegado Permanente do Egito junto da UNESCO acrescenta: “quando descobrem a realidade já não podem voltar atrás. E, ao mesmo tempo, são muito maltratadas dentro desses grupos fanáticos. Então, espero que através destas conferências e da cobertura dos media as consigamos avisar do inimigo que não conseguem ver.”

Os jovens que sofrem com a exclusão social também se juntam a grupos terroristas violentos em busca da sua identidade e do reconhecimento coletivo. Muitas vezes são jovens desempregados à procura de dinheiro, uma situação comum em África, diz o ativista do Burkina Faso, Daniel Da Hien: “muitos países são bastante pobres, como o meu país em África. Muitas pessoas não vão à escola, algumas não passam nem seis anos na escola. Os extremistas recrutam aqueles que não conseguem ir à escola, os que não acabaram a escolaridade ou os que têm estudos, mas estão desempregados. Sem trabalho o que podem fazer?!”

Segundo os participantes nesta conferência a educação e a alfabetização são fundamentais – enfatizam que é necessário perceber o que falta na educação e fazer mudanças. “Um dos desafios que as nossas universidades enfrentam é que ainda não somos capazes de ensinar os nossos alunos e jovens a distinguir o bem e o mal. Muitas vezes vemos que os jovens são tão manipulados mentalmente que chegam a acreditar que as ideologias negativas e radicais são positivas – e estão prontos a matar para defender essas ideias”, diz a vice reitora da Universidade ADA (Azerbaijão), Fariz Ismayilzade.

Os participantes do Fórum concordam: uma simples melhoria na educação não vai impedir a radicalização dos jovens, mas vai desenvolver um pensamento crítico. Esse pensamento crítico poderá impedir que as novas gerações se juntem às redes terroristas.