Última hora

Última hora

Governador de Jacarta, da minoria cristã, condenado por blasfémia

Em leitura:

Governador de Jacarta, da minoria cristã, condenado por blasfémia

Governador de Jacarta, da minoria cristã, condenado por blasfémia
Tamanho do texto Aa Aa

Com Lusa

Um tribunal indonésio condenou Basuki Tjahaja Purnama, o governador cessante da capital Jacarta, pertencente à minoria cristã, a uma pena de dois anos de prisão por blasfémia.

O coletivo composto por cinco juízes ordenou a prisão imediata do governador Purnama, conhecido no país como Ahok.

Ahok foi condenado por uma declaração proferida no final de setembro, em que classificou como errada a interpretação de alguns ulemas – teólogos muçulmanos – de um versículo do Corão, segundo o qual um muçulmano só deve eleger um dirigente muçulmano.


O governador de Jacarta pediu desculpa pelo comentário, mas tal não foi suficiente para conter a ira dos mais conservadores, em particular da Frente de Defensores do Islão, um grupo que quer impor a sharia ou lei islâmica na esfera pública, em toda a Indonésia.

O Governador anunciou que vai recorrer da decisão judicial para instâncias superiores.

Protestos contra e a favor da sentença

No exterior do tribunal, a norte de Jacarta, apoiantes de Ahok choraram e abraçaram-se após conhecida a decisão.

Ao mesmo tempo, podiam ser ouvidos gritos de alegria por parte de membros de grupos conservadores islâmicos.

Cerca de 13 mil polícias foram destacados para a capital indonésia para evitar eventuais distúrbios entre partidários e opositores de Ahok.

O Governador de Jacarta foi derrotado nas eleições de abril, mas o seu mandato termina apenas em outubro.

O presidente do coletivo de juízes afirmou que o julgamento foi puramente criminal e que o tribunal discorda que tenha havido aspetos políticos no caso.

O país com a maior população muçulmana do mundo

A pena máxima para blasfémia na Indonésia é de cinco anos de prisão.

A Indonésia tem a maior população muçulmana do mundo, da qual fazem parte cerca de 87% dos seus cerca de 260 milhões de habitantes.

Apesar de a maioria dos indonésios muçulmanos ser partidária da tolerância religiosa, o fundamentalismo tem vindo a ganhar força desde finais do século passado.