Putin e Abbas discutem processo de paz

Putin e Abbas discutem processo de paz
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
PUBLICIDADE

Foi a primeira vez, nos últimos cinco anos, que o presidente russo Vladimir Putin e o presidente da Autoridade Palestiniana Mahmud Abbas se encontraram. Abbas visitou Putin em Sochi, para ouvir do presidente russo palavras de apoio ao processo de paz. Isto numa altura em que a Autoridade Palestiniana está debaixo de fogo, devido aos pagamentos aos presos palestinianos e famílias.

No encontro com Abbas, Putin insistiu que a paz na região tem de passar pela coexistência de dois Estados: “O conflito israelo-palestiniano só pode ter uma solução política, com negociações baseadas no direito internacional. Quero sublinhar que a coexistência pacífica dos Estados de Israel e da Palestina é a condição indispensável para a segurança e para a estabilidade no Médio Oriente”, disse o presidente russo.

Abbas, apesar das críticas, diz-se empenhado na luta contra o extremismo, mas diz também que só a independência da Palestina vai por fim à violência: “Acreditamos que a luta contra o terrorismo e o extremismo é uma responsabilidade internacional. Do nosso lado, estamos empenhados. Acreditamos que a liberdade e a independência do nosso povo vão fazer desaparecer o núcleo desse extremismo e ajudar a criar os alicerces da paz e da segurança na nossa região”.

O embaixador de Israel nas Nações Unidas pediu o fim do pagamento aos presos palestinianos e às famílias daqueles a que a Autoridade Palestiniana chama “mártires”. Pagamentos feitos, muitas vezes, a culpados de crimes de sangue, com o dinheiro dado pela comunidade internacional, incluindo a União Europeia.

Em Belém, na Cisjordânia, o exército israelita entrou em confrontos com manifestantes, solidários com os presos palestinianos em greve de fome em Israel. Entre 1300 e 1500 presos estão em greve de fome há cerca de três semanas, por melhores condições e mais contacto com as famílias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Diplomatas estrangeiros na Rússia prestam homenagem às vítimas do Crocus City Hall

Rússia detém homem do Quirguistão suspeito de estar envolvido no último ataque a Moscovo

Suspeitos do ataque de Moscovo acusados e apresentados à imprensa com sinais de violência