Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ciberataque: Europol afirma que há mais de 200 mil vítimas

Ciberataque: Europol afirma que há mais de 200 mil vítimas
Tamanho do texto Aa Aa

A Europol revelou que o ciberataque de sexta-feira (12 maio) afetou mais de 200 mil equipamentos em, pelo menos, 150 países.


Numa entrevista a um programa de televisão britânico, o diretor da polícia europeia, Rob Wainwright, alertou que o número de vítimas, do programa malicioso, pode ainda aumentar, no início da semana, quando as pessoas voltarem ao trabalho.

“Na Europol temos cerca de 200 operações globais contra o crime cibernético, por ano, mas nunca vimos nada como isto. Vimos o pedido de resgate a tornar-se na principal ameaça cibernética, mas isto é algo nunca visto. Este alcance global não tem precedentes. A última contagem mostra que há mais de 200 mil vítimas em, pelo menos 150 países”, afirmou o diretor da Europol.

O ciberataque, descrito como “sem precedentes”, atingiu empresas e instituições de todo o mundo. Vários hospitais, na Indonésia e no Reino Unido foram atingidos, na China foram escolas, em Espanha, por exemplo, foi a Telefónica.

Em França, a Renault viu-se obrigada a suspender a produção de automóveis em algumas das suas fábricas.

Wainwright reforçou a ideia de que, hoje em dia, a cibersegurança deve ser uma das principais preocupações das instituições mundiais.