Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Venezuela sob pressão e Maduro a responsabilizar líder da oposição

Venezuela sob pressão e Maduro a responsabilizar líder da oposição
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Após 43 dias e um balanço de 39 mortos, prosseguem na Venezuela os protestos de rua contra o governo liderado pelo Presidente Nicolás Maduro.

O dia de sábado ficou marcado por diversos manifestações da oposição coordenadas em vários pontos do país.

Em Caracas, a capital, uma das marchas de protesto contra o governo degenerou em confrontos com a polícia e até um autocarro foi incendiado. As forças de autoridade recorreram a gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes.

No âmbito de um evento de apoio social, o Presidente Nicolás Maduro falou dos protestos, mostrou uma fotografia do autocarro incendiado e contou a história de “um jovem motorista de autocarros” chamado “Leonardo Lecomte”, que teria ido “a Chacao comprar algumas prendas e foi raptado por um grupo de encapuzados do Julio Borges”, um dos opositores, coordenador do partido Primeiro Justiça e o atual presidente da Assembleia Nacional da Venezuela.


“Responsabilizo Julio Borges por toda a violência, por todas as mortes e a desordem no país, e por apelar à violência”, acusou Maduro durante a entrega de mais cartões do projeto governamental Grande Missão Lares da Pátria


Por outro lado, o líder venezuelano revelou estar ainda à espera de uma resposta da Conferência Episcopal Venezuelana (CEV) ao convite para participar na Assembleia Nacional Constituinte, convocada por Maduro com a justificação de ser necessria para preserrvar a paz e a estabilidade da república. Em comunicado, após o anúncio da convocatória de Maduro, a CEV considerou a proposta presidencial “desnecessária
e perigosa para a democracia venezuelana, para o desenvolvimento humano integral e para a paz social.”

Este mesmo sábado, em Portugal, à margem das celebrações do Centenário das Aparições de Fátima, o secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin, defendeu serem as eleições a única solução para a grave crise na Venezuela.

“Deve de haver muito boa vontade, a começar pelo governo, o qual deve dar sinais de querer resolver a crise. Deve ter em consideração o clamor do povo e, de seguida, procurar soluções. Para mim, a solução é haver eleições”, disse PArolin, em entrevista ao jornal La Nacion e à publicação católica Crux.