EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Militares e governo da Costa do Marfim longe do consenso

Militares e governo da Costa do Marfim longe do consenso
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
PUBLICIDADE

Continua a tensão em algumas cidades da Costa do Marfim, depois de um grupo de militares ter iniciado um motim. Esta segunda-feira, o ministro da Defesa do país declarava, na televisão, que a situação estava resolvida. Informação desmentida pelos amotinados. Porta-vozes destes militares explicavam que governo ofereceu, a cada um, cinco milhões de francos CFA. Valor que consideram insuficiente:

“Queremos sete milhões ou nada. Isto não é um golpe de Estado. Assim que tivermos os sete milhões nas nossas contas, voltamos para as casernas”, explicou o Sargento Cisse.

Há quatro dias que o governo, do presidente Alassane Ouattara, tenta restaurar a ordem. Isto depois de 8.400 militares terem assumido o controlo da segunda maior cidade do país, Bouaké, e terem forças espalhadas por todo o país. Este grupo de oficiais e soldados é composto por ex-rebeldes que ajudaram o chefe de Estado a chegar ao poder. Apesar da situação violenta, que se vive no país, os militares repetem que só querem defender os seus interesses:

“Não é um golpe de Estado. O presidente é o nosso pai. Precisamos dele. Aquilo que estamos a pedir é aquilo que é nosso por direito. É só isso que queremos”, adianta um soldado que não se identificou.

A Costa do Marfim vem de uma década de crise política e de uma guerra civil, em 2011. É uma das economias que mais tem crescido, já que é o maior produtor de cacau, mas parte das promessas feitas aos militares, que ajudaram a recuperar a estabilidade no país, estão a ser difíceis de cumprir desde a queda no preço do cacau, que causou uma quebra nas receitas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Países Baixos lembram vítimas da Segunda Guerra Mundial

Primeiro contingente de tropas da Alemanha chega a Vilnius para reforçar flanco leste da NATO

Porta-voz do exército israelita: "Pode haver um cessar-fogo hoje ou daqui a um ano".