Legislativas: A encruzilhada britânica

Legislativas: A encruzilhada britânica
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os conservadores britânicos venceram as Legislativas mas é uma vitória com um sabor amargo já que Theresa May não alcança a maioria absoluta.

PUBLICIDADE

Os conservadores britânicos venceram as Legislativas mas é uma vitória com um sabor amargo já que Theresa May não alcança a maioria absoluta. O Parlamento britânico fica, digamos, “em suspenso”. Nenhum dos principais partidos conseguiu impor-se e não terá, por isso, margem de manobra, na Câmara Baixa do parlamento. A partir de agora tudo se resume a matemática, ou seja, não se tendo maioria é preciso persuadir outras forças políticas a coligarem-se.

Na Irlanda do Norte, os dois aliados mais naturais para os conservadores são o DUP, Partido Uniunista Democrático, e o UUP. Partido Unionista do Ulster mas tudo depende do resultado alcançado pelo Sinn Fein.

Já na Grã-Bretanha os Democratas Liberais são o único partido que pode aliar-se aos conservadores, foi aliás o que aconteceu depois das legislativas de 2010. De lembrar que na defesa de um partido de centrista credível, o seu líder, Tim Farron, descartou qualquer forma de coligação com conservadores ou trabalhistas, defendendo o seu papel, enquanto parte de uma oposição, também ela, credível e forte.

Com uma base de apoio mais ampla, o Partido Trabalhista pode pensar conseguir, mais facilmente, formar um governo minoritário. Mas isso pode revelar-se altamente instável e não durar muito.

Se nenhum dos dois principais partidos conseguir formar governo os analistas veem acontecer eleições antecipadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Velha guarda do rock em peso na abertura da Gibson Garage

Notas com cara de Carlos III entram em circulação em junho

As Falklands pertencem ao Reino Unido? Nova sondagem revela que nem toda a gente na Europa está de acordo